Preso grupo envolvido em execução de jovem que tinha dívida com facção criminosa

Da Redação

Entre os presos estão a namorada da vítima e a filha dela, um dos executores e os que transportaram o corpo

Operação da Polícia Civil nesta segunda-feira (29), em Dourados, a 214 quilômetros de Campo Grande, prendeu o grupo envolvido na execução de Wagner Sebastião dos Santos Haak a mando de uma facção criminosa. O corpo dele foi encontrado em 18 de abril, envolto a um lençol, em uma área de mata.

Objetos apreendidos na casa de um dos suspeitos de envolvimento na execução — Foto: Polícia Civil/Divulgação.

Conforme a polícia, foram presas a namorada de Wagner e a filha dela, que o atraíram para o local da morte; um jovem, que junto com uma segunda pessoa o torturou e o executou e também os dois rapazes que pegaram o corpo e jogaram na mata. O mandante e o braço-direito dele tinham sido presos em flagrante.

O executor preso estava foragido do regime semiaberto. Ele tinha sido levado para a unidade penal em 19 de abril, mas na madrugada do último sábado (27), serrou as grades da cela onde estava e fugiu.

Ele e um outro fugitivo, que acabou recapturado, foram encontrados na casa da mulher envolvida na execução de Wagner. Ele namora a filha dela.

Na casa de um dos suspeitos que transportaram o corpo foram apreendidas uma espingarda calibre 12, duas munições para essa arma, um simulacro de arma de fogo, porções de maconha e uma motocicleta furtada. Lá foram presas outras pessoas por conta dos ilícitos encontrados.

A operação leva o nome de Mortalha, que é o nome dado ao pano usado para envolver os mortos e foi desencadeada pelo Serviço de Investigações Gerais (SIG) e Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Fronteira (Defron).

Comentários