Preso, autor de cinco estupros escolhia as vítimas pela internet

A Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam), prendeu neste mês João Carlos Ribeiro da Costa, 34 anos. Ele é autor de cinco estupros ocorridos na Capital entre os meses de julho e setembro deste ano. O bandido usava as redes sociais para chegar até as vítimas.

João Carlos foi reconhecido pelas vítimas. Foto: Ivan Silva
João Carlos foi reconhecido pelas vítimas. Foto: Ivan Silva

De acordo com a delegada Franciele Candotti, responsável pela investigação de três dos cinco casos, o estuprador agia da mesma maneira com todas as vítimas. “Ele invadia a casa das vítimas e amarrava as mãos e os pés. Elas eram obrigadas a deitarem de bruços e ele cometia o ato, tanto penetração vaginal, quanto anal”, relatou. Ainda segundo a delegada, João Carlos ficava na casa das vítimas por aproximadamente uma hora e meia. Nesse tempo, o estuprador vasculhava a casa e cometia no mínimo três vezes o ato. Antes de ir embora, ele sempre roubava alguma coisa das vítimas.

Delegadas da Deam alertaram para o risco da exposição na internet. Foto: Ivan Silva
Delegadas da Deam alertaram para o risco da exposição na internet. Foto: Ivan Silva

O bandido usava sempre as mesmas roupas para cometer o crime e intimidava as vítimas com uma faca. Ele também sempre carregava uma mochila onde guardava os pertences roubados das vítimas e levava a corda usada para amarrá-las. Em alguns casos ele usou uma touca na cabeça e luvas.

Após investigações, a polícia prendeu o autor em sua residência, no Jardim Morenão. No local, a polícia encontrou objetos roubados das vítimas, além de anotações com os nomes das mulheres que foram abusadas e outras que poderiam ser novas vítimas.

Materiais foram encontrados na casa do autor. Foto: Ivan Silva
Materiais foram encontrados na casa do autor. Foto: Ivan Silva

A delegada Marília de Brito, também responsável pelas investigações, contou que as vítimas eram escolhidas por meio das redes sociais. “Ele investigava a rotina das mulheres pela internet e, após descobrir tudo sobre elas, realizava as abordagens”, disse. A delegada também alertou sobre o risco de expor informações na internet, facilitando a ação de pessoas de má índole.

Preso, João Carlos disse que o encontro foi marcado pelas vítimas e que elas eram garotas de programa.

Os casos

O primeiro caso ocorreu no dia 20 de julho, no bairro Aero Rancho. A vítima, uma mulher de 24 anos, teve a casa invadida por João Carlos durante a madrugada.

A vítima foi amarrada e sofreu os abusos. João Carlos também cobriu a cabeça da jovem com uma fronha. Após cometer o crime, ele ameaçou matá-la caso procurasse a polícia. 

A segunda vítima também foi uma mulher de 24 anos e o crime aconteceu no bairro Guanandi no dia 21 de agosto.

A terceira vítima, uma mulher de 30 anos, também teve a casa invadida por João Carlos, no bairro Parati. Ela conseguiu fugir e pedir ajuda aos vizinhos e João Carlos não conseguiu consumar o ato, mas também responderá pelo crime pelo ato libidinoso por ter passado a faca usada para abordar as vítimas nas partes íntimas da mulher.

O quarto crime foi no dia 16 de setembro, no bairro Montevidéu. A vítima, uma mulher de 21 anos, foi abordada pelo bandido enquanto colocava lixo na rua por volta das 2h.

A última vítima, de 26 anos, também teve a casa invadida por João Carlos no dia 29 de setembro, no bairro Santa Luzia.

Apesar de ter sofrido o abuso, a vítima só registrou a ocorrência após o bandido ser preso. A polícia encontrou na casa do acusado o CPF da mulher e entrou em contato com ela, que acabou revelando que também havia sido estuprada pelo bandido.

A polícia acredita que mais vítimas do maníaco podem surgir. As denúncias podem ser feitas através do número 190 ou na Casa da Mulher Brasileira, que está localizada na rua Brasília s/n, no Jardim Imá.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários