Presidente da Santa Casa afirma que falta parceria com o poder público para normalizar finanças do hospital

O presidente da Associação Beneficente de Campo Grande – Santa Casa, Esacheu Nascimento, participou na manhã desta sexta-feira (14), do programa Tribuna Livre, da rádio Capital 95FM.

A Santa Casa de Campo Grande possui um déficit mensal de R$ 3,2 milhões e Esacheu Nascimento afirma que isto acontece em decorrência da falta de negociação com o poder público. Para ele, a capital não necessita de um novo hospital, a solução seria apenas investir na Santa Casa.

img_20161021_0755046301

“Nós temos em Campo Grande, 27 mil pessoas precisando de cirurgia. Chegamos na Santa Casa e vimos as péssimas condições do centro cirúrgico e revitalizamos, hoje podemos usar o centro 24 horas por dia, usamos só durante o dia por falta de verba. Poderíamos fazer um planejamento, e para o novo prefeito ou prefeita, a cidade não precisa de hospital novo, o que precisa é uma gestão compartilhada na Santa Casa, a Santa Casa é um bem da comunidade, precisamos compartilhar atendimento, e também precisa vir financiamento, a Santa Casa está devendo para bancos, como o diálogo com os políticos não avança, continuamos nesta situação.”, declarou o presidente.

Todas as finanças da Santa Casa de Campo Grande, como contratos ou folha de pagamento podem ser consultados clicando aqui.

Nascimento continuou destacando as consequências que a falta de parceria com a prefeitura tem nas finanças do hospital e nos atendimentos.

“Campo Grande é a única capital do Brasil que não possui um pronto socorro municipal. Aqueles pacientes que são atendidos e evoluem para uma internação, nós conseguimos recuperar [financeiramente] todos os procedimentos. Agora aqueles do pronto socorro, esse dinheiro não tem de quem cobrar. A gente não consegue o diálogo produtivo, já propusemos ocupar uma UPA e montar ali um pronto socorro, propusemos fazer uma parceria com o município para compartilhar nosso pronto socorro e não conseguimos evoluir.”

SUPERLOTAÇÃO

O presidente afirma que o problema da superlotação está sendo resolvido com as finaças do próprio hospital, reformando áreas que eram usadas incorretamente. E mais uma vez declarou que se houvesse parceria com o poder público, os serviços iriam progredir mais facilmente.

“A gente resolve o problema, encaminhamos à prefeitura a demanda de atendimentos para fazermos as UTI’s novas, temos condições de pelo menos 20 UTI’s, mas a parceria não vingou, não tivemos retorno. Com isso temos essa despesa gerada em razão do compromisso que temos, ativamos mais 26 leitos para atendimento do SUS, inauguramos no quarto andar, os leitos para atender os planos de saúde particulares e no quinto os leitos do SUS. Ontem não tinha ninguém nos corredores, e esse é o nosso compromisso com a população, várias alas que estavam mau utilizadas, estamos revitalizando para atender a demanda.”, completou Nascimento.

TRANSPLANTES

A Santa Casa voltará a realizar transplantes, os procedimentos estão em fase de teste, pois o laboratório que era terceirizado voltou a ser comandado pelo próprio hospital. “Voltamos com os transplantes, fizemos dois transplantes de rins teste, mas ainda não houve confiança da equipe médica no laboratório, então renovamos”, afirma Esacheu.

A volta total dos transplantes de rins tem data marcada para o início do próximo mês, e posteriormente outros órgão serão adicionados na lista de transplantes oferecidos pela Santa Casa.

“Começou a funcionar  ontem [20] o novo laboratório e dia 1º de novembro voltará a funcionar plenamente para auxiliar os transplantes de rins. As nossas duas equipes estão sendo recredenciadas no Ministério da Saúde para fazer transplante de coração e estamos conversando para restabelecer o transplante de córneas na Santa Casa.”, completa Nascimento.

HOSPITAL DO TRAUMA

Nascimento afirma que o Hospital do Trauma será entregue no prazo estipulado e que as obras estão sendo frequentemente fiscalizadas pela equipe da Santa Casa e por representantes de órgãos públicos.

“A obra do hospital está sendo tocada pela empresa que ganhou a concorrência, com muita eficiência. Estamos visitando a obra semanalmente, com certeza vamos concluir a obra dentro do prazo do contrato e até junho do ano que vem o hospital estará concluído para atender a população”, finalizou o presidente da Santa Casa.

 

Comentários

comentários