Presidente da Câmara reforça que Energisa passará por investigação da Casa de Leis

Nádia Nicolau

Foi formada, na Câmara Municipal de Campo Grande, uma Comissão Especial que vai investigar se há irregularidades no contrato entre a Energisa e o Estado de Mato Grosso do Sul. O colegiado será formado pelos vereadores André Salineiro (presidente), Vinicius Siqueira (relator) e Valdir Gomes (membro).

Conforme explicou o presidente da Casa, vereador João Rocha, a ideia é averiguar e fazer o levantamento de documentos. “Após essas coletas, faremos o encaminhamento aos órgãos competentes, não de forma eleitoreira, mas responsável, zelando pela legalidade e com autoridade para tal”.

A comissão terá o prazo de cento e vinte dias, prorrogáveis por igual período, para apresentação do relatório conclusivo dos trabalhos. A Câmara Municipal de Campo Grande já recebeu diversas reclamações e, segundo os consumidores, a cobrança dos valores é exorbitante.

LOA 2020 – “Recebemos a peça LOA 2020 (Lei Orçamentária Anual), foram 715 emendas apresentadas e que estão sendo analisadas”, disse o vereador João Rocha, reforçando que o valor total de R$ 4,3 bilhões será repartido e remanejado, em caso de necessidade.

Administração da capital – “Sou otimista por natureza. Temos crises, dificuldades, mas o prefeito Marquinhos tem feito um bom trabalho”, destacou o presidente da Câmara. Para ele, a capital está avançando e isso motiva os investidores.

Reajuste aos servidores – Com os votos de 26 vereadores de Campo Grande foi aprovado, na última semana, o projeto do Executivo que prevê reajuste de 4,17% no salário dos servidores públicos municipais da educação.

Conforme a proposta, o funcionalismo receberá aumento de 1% em outubro e os 3,1386% serão aplicados aos salários em dezembro. “Demos o aumento que foi possível”, disse João Rocha, lembrando que as tratativas são feitas a partir de uma conjunção de esforços.

Comentários