Vídeo: Preso, casal Olarte alega perseguição política

A ex-primeira dama da Capital, Andréia Olarte, presa na manhã desta segunda-feira (15) junto com o marido, Gilmar Olarte, acusados de lavagem de dinheiro, alegou perseguição política. Exaltada, ao deixar a residência do casal na Vila Rosa, Andréia afirmou que a prisão é jogo político. “Sabiam que eu registraria candidatura a vereadora e por isso mandaram me prender hoje”, disse.

De acordo com Gilmar Olarte, todos os bens da família estão declarados. “Nós temos empresas há muitos anos e caixa para fazer tudo o que fizemos. Todos os nossos imóveis estão em meu nome e da minha esposa. Estão nos acusando de algo que não procede”, afirmou o ex-prefeito.

O advogado de defesa do casal, Jail Azambuja, disse que Olarte e Andreia tinham conhecimento da investigação que começou há aproximadamente seis meses, mas que foram pegos de surpresa com o mandado de prisão temporária. “Eles se colocaram à disposição da justiça desde o início. Estamos surpresos com a prisão e ela não tem justificativa”, ressaltou. Sobre Andréia ser candidata a vereadora, o advogado não confirmou. “Sei que o nome dela foi apontado na convenção de um partido, mas não sei se registraria a candidatura”, disse.

Desde o início da manhã, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpria mandados de busca e apreensão na casa do casal, em uma loja de Andreia e nas residências de Ivamil Rodrigues de Almeida e Evandro Simões Farinelli, além das empresas de ambos. Eles também foram presos.

 

Comentários

comentários