Prêmio MS Industrial de Jornalismo homenageia profissionais da área

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Uma noite de alegria e emoção: assim pode ser resumida a cerimônia de entrega do Prêmio MS Industrial de Jornalismo, realizada nesta sexta-feira (18/11), no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS). Além da premiação em si, o evento foi criado para homenagear nomes importantes do jornalismo sul-mato-grossense e, em 2016, os escolhidos foram Arlindo Florentino, Silvio Andrade e Roberto Higa e, in memorian, Michel Lorãn, Marcos Silvestre e Marcos Cordeiro.

Roberto Higa, fotojornalista que registrou o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul, declarou que a homenagem o deixou extremamente emocionado, principalmente por ter visto a Fiems “nascer” e “crescer”. “Foi totalmente inesperado. Eu me considero parte da Fiems, por ter trabalhado junto à Federação todos esses anos, e ter esse reconhecimento traz uma felicidade inexplicável”.

Silvio Andrade foi repórter especial em Corumbá e, atualmente, trabalha para o Governo do Estado. Para ele, a iniciativa da Fiems de valorizar os profissionais da área é fundamental. “Isso mostra que vale a pena se dedicar, trabalhar com afinco para produzir materiais de qualidade”. Arlindo Florentino seguiu pelo mesmo caminho e afirmou que a sensação é de alegria plena. “Ver o trabalho de uma vida inteira sendo reconhecido é muito gratificante”, declarou.

In Memorian

Michel Lorãn era repórter da TV Morena em Corumbá quando faleceu, em outubro, vítima de um aneurisma cerebral. Segundo a mãe, Maisa Amaral, ser repórter era um sonho de infância do filho e ela teve a oportunidade de ver esse sonho realizado. “Essa homenagem é fruto desse trabalho, que foi feito por pouco tempo mas resultou em frutos muito gratificantes”.

Fabiana Silvestre, sobrinha do locutor esportivo Marcos Silvestre, declarou que a homenagem àqueles que já partiram representa um importante reconhecimento a quem dedicou a vida a fazer um jornalismo de qualidade. “Meu tio tinha 62 anos quando faleceu e foi um dos pioneiros da comunicação no Estado. Então penso que é um estímulo para quem está na área, inclusive para mim, que também sou jornalista”.

Antônio César Cordeiro faleceu aos 48 anos, vítima de um acidente vascular cerebral. César Cordeiro, como era conhecido, atuou na mídia impressa e na televisão, mas foi como radialista que gravou seu nome na história do jornalismo sul-mato-grossense. Quem recebeu a homenagem foi a esposa, Izabel Cristina Pereira Dias, e a filha, Carol Cordeiro. “Ficamos extremamente emocionados. Meu pai é muito merecedor deste reconhecimento”, frisou Carol.

Comentários

comentários