Prefeitura não cumpre acordo e médicos ameaçam retomar greve

Durante assembleia realizada na noite de ontem (10) o Sinmed (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Su) votou por nova paralisação dos atendimentos na rede municipal de saúde a partir desta sexta-feira (14). Segundo a categoria, a Prefeitura não cumpriu o acordo feito para finalizar o último movimento grevista.

Médicos de Campo Grande que atuam na Sesau decidiram por unanimidade retomar a greve deflagrada em maio deste ano.
Médicos de Campo Grande que atuam na Sesau decidiram por unanimidade retomar a greve deflagrada em maio deste ano.

Conforme o sindicato, a paralisação deve começar por volta das 19 horas do sábado (15) e deve afetar todas as unidades de saúde da prefeitura. Será mantido, como na greve anterior, apenas 30% do efetivo atuará em unidades de urgência e emergência, ou seja, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Centros Regionais de Saúde (CRS).

Segundo o presidente do sindicato, Valdir Siroma, vários itens acordados entre a prefeitura e a categoria foram ignorados. Ele cita ainda como motivos para a nova paralisação o atraso nos pagamentos dos salários de julho, por causa do escalonamento, além do não pagamento até o quinto dia útil de agosto dos adicionais e gratificações, não pagamento dos plantões eventuais realizados durante o período de greve e não preenchimento das escalas em aberto.

“Enviamos vários ofícios à prefeitura questionando o cumprimento do acordo, no entanto não tivemos resposta, e decorrente a esta falta de retorno da prefeitura foi convocada assembleia para definir que atitude tomar e por decisão unânime foi votado pelo retorno da greve”, explica Siroma.

É a segunda greve dos médicos neste ano na Capital. Em maio, contra a suspensão no pagamento dos plantões, eles paralisaram as atividades por 18 dias.

O prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP), ressaltou que a crise é passageira e o pagamento dos salários volta ao normal em setembro ou, no máximo, outubro.

 

Comentários

comentários