Prefeitura inicia instalação de radares para volta de ‘cobrança’ em novembro

Lúcio Borges

A Prefeitura de Campo Grande anunciou que iniciou nesta quarta-feira (17), a instalação de radares para volta de ‘cobrança’ em novembro por toda Capital. O retorno dos equipamentos, que estão a quase dois anos parados, vem segundo a administração, após um estudo técnico da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e processo de licitação para a instalação de equipamentos eletrônicos nos locais onde foram registrados o maior número de acidentes, muito deles com vitimas fatais.

O serviço que já começou hoje, na Avenida Costa e Silva, em frente a UFMS, não tem data marcada para acabar, como também o funcionamento das máquinas e fiscalização, ainda esta sem data previa, onde apenas foi definido que terá 15 dias de orientação e após se inicia as multas por infrações cometidas. “Os equipamentos devem entrar em operação na segunda quinzena do mês novembro. Mas, antes disso, vamos fazer campanhas educativas, informando aos condutores de veículos  sobre o funcionamento dos radares. Nosso objetivo é reduzir e controlar a velocidade, que tem causado muitas mortes na Capital”, divulgou o diretor-presidente da Agetran, Janine de Lima Bruno.

O gestor explica que serão 97 faixas de rolamento, que receberão 30 lombadas eletrônicas e instalação de equipamento mistos, que inclui notificação sobre o avanço do semáforo, parada na faixa, retorno e conversão e controle de velocidade. “Assim, os equipamentos deverão possibilitar o registro das seguintes infrações, de acordo com cada modelo previsto: para quem desrespeitar o sinal vermelho do semáforo; parar sobre a faixa de pedestres na mudança de sinal luminoso; desrespeitar a velocidade regulamentada para a via e conversão e/ou retorno proibidos”, disse Janine.

Segundo dados do IBGE de 2016, Campo Grande possui uma frota de 548.475 veículos e uma população de 863.982 habitantes, o que representa 0,63 veículos por habitante. “Esse quantitativo representa um dado muito preocupante para o Município de Campo Grande. Desta frota veicular, destacamos que 281.083 são do tipo automóvel e 128.908 são motocicletas, números esses em constante crescimento. A projeção é que para os próximos quatro anos, esse número aumente em cerca de 13%, alcançando uma frota total de 619.776 veículos, sendo 145.189 motocicletas”, pontuou Janine.

IMG_9969 (Copy)

Fiscalização em cima do lance

Excesso de velocidade e imperícia dos condutores por falta de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para dirigir são as principais causas de acidentes com mortes na área urbana de Campo Grande no último ano.

Tais equipamentos realizarão uma efetiva fiscalização automática das desobediências à velocidade permitida, avanço de sinal e parada sobre a faixa de pedestres em determinadas vias, além do monitoramento e da fiscalização estática do excesso de velocidade. Assim, será possível o acompanhamento e avaliação permanente, facilitando a tomada de decisões para intervenções corretivas e preventivas; bem como geração contínua de informações imprescindíveis para o planejamento do trânsito, mantendo o processo de modernização.

Comentários