Porto Murtinho: parte da barragem do Rio Paraguai cede e deixa cidade em alerta

Uma parte das placas de contenção das margens do Rio Paraguai desmoronou por volta das 17h da segunda-feira (28) em Porto Murtinho, no pantanal sul-mato-grossense. O desmoronamento ocorreu na parte central da cidade, em trecho onde o Rio Paraguai é mais profundo.

A gravidade do desmoronamento existe principalmente porque as estacas que seguravam parte do barranco também cederam, junto às placas de concreto. Com isso, caso o nível do rio estivesse mais alto, a situação poderia ter sido catastrófica. O dique de contenção, porém, não foi afetado.

Queda de parte da parede de contenção do Rio Paraguai assusta moradores de Porto Murtinho (MS) — Foto: TV Morena/Reprodução

Instaladas há cerca de 8 anos, as placas são responsáveis por conter o nível do rio, que décadas atrás causava grandes alagamentos na cidade. O prefeito de Porto Murtinho, Derlei Delevatti, do PSDB, disse que parte das placas mantidas por estacas cederam em uma região próxima da chegada de Porto Murtinho. Delevatti afirmou também que fazem verificações esporádicas sobre as condições dos diques.

“Claro que causa uma preocupação pra nós uma situação dessa. Mas já entramos em contado com a Defesa Civil do estado e a Secretaria de Infraestrutura de Mato Grosso do Sul estarão com engenheiros para fazer um estudo do caso”, explicou.

O coordenador da Defesa Civil, Fábio Catarineli, confirmou a ida ao município sul-mato-grossense. “Estamos enviando uma equipe de técnicos especialistas em barragens. Apesar de ali não ser uma barragem, a forma construtiva é parecida. Vamos fazer uma análise e passar para a prefeitura quais as providências a serem tomadas na situação”, disse.

Antes mesmo da chegada da Defesa Civil, o prefeito de Porto Murtinho já tem uma hipótese para o motivo da queda da parede de contenção. “Houve uma passagem de terra por baixo da placa, o rio baixou de 5 metros e meio para menos de 2 metros e 70 centímetros, então o material deve ter saído por baixo. A nível de solo, era impossível visualizar isso. Como baixou o rio, o material escoou”. A teoria faz sentido, de acordo com a Defesa Civil. “Estivemos no passado vistoriando o dique e a água realmente pode entrar por baixo e retirar material, passível de causar deslizamento ali naquela parede de contenção, mas afirmar isso só será possível depois da vistoria”, explicou o coordenador do órgão.