Policial que matou bioquímico em cinema é liberado da prisão

A Justiça concedeu pedido de habeas corpus e mandou soltar o policial militar Dijavan Batista dos Santos, de 37 anos, que matou com um tiro o bioquímico Júlio Cesar Cerveira Filho dentro de uma sala de cinema, em um shopping de Dourados (MS), de acordo com o advogado do policial, Benedicto de Figueiredo.

Homem foi morto a tiros dentro de sala de cinema que exibia filme infantil em Dourados

“O habeas corpus foi aceito pelo Tribunal de Justiça na quinta-feira (8), meu cliente está em casa. Não havia motivos para ele continuar preso, ele colaborou com a Justiça desde o princípio, entregou a arma, prestou socorro”, afirmou o advogado.

O assassinato ocorreu no último dia 8 de julho, dentro da sala 1 do cinema do Shopping Avenida Center, em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

À polícia, Dijavan alegou ter agido em legítima defesa após a vítima ter provocado e agredido, tanto a ele quanto ao filho adolescente, de 14 anos, durante uma sessão do filme Homem Aranha – Longe de Casa, no cinema de um shopping de Dourados.

Durante uma discussão já nas escadarias de saída do cinema, Júlio teria tentado tirar a arma do policial, momento em que levou um tiro. O tiro acertou o peito, transfixou no pescoço e atingiu a cabeça do bioquímico, que morreu no local.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui