Polícia suspeita que assalto acabou com morte de três pessoas em fazenda

Da Redação

Os três homens mortos na tarde de ontem (13), na fazenda Coqueiro, localizada na estrada que vai para o Forte Coimbra, em Corumbá, distante 419 quilômetros de Campo Grande, foram identificados como Pedro Carlos Aquino, 45 anos; Jocemar Gonçalves dos Santos, 36 anos e João Estevão Cáceres, 50 anos. Uma das principais linhas de investigação é de latrocínio – roubo seguido de morte.

Os corpos foram levados para o IML (Instituto Médico Legal) de Corumbá (Foto: Leonardo Cabral/ Diário Corumbaense).

Conforme o site Diário Corumbaense, a quarta vítima, Vinícius Schumacher de Lima, 27 anos, baleado na lateral esquerda da boca, foi quem pediu socorro numa propriedade vizinha. Na sequência, as policias Militar, Civil, Rodoviária Federal e o Corpo de Bombeiros foram acionados e deslocaram equipes para a fazenda. O crime aconteceu entre 13 e 14 horas.

Vinícius, mesmo ferido, conseguiu escapar do assassino e pedir ajuda. Ele chegou a contar durante atendimento que o autor do crime havia sido contratado para fazer uma cerca na propriedade rural. Duas das vítimas assassinadas foram baleadas na cabeça e a terceira foi atingida por dois disparos no peito.

Os três mortos e a vítima que sobreviveu são de Guia Lopes da Laguna e foram para a fazenda fazer serviço de empreitada. Vinícius de Lima, o único sobrevivente, recebeu atendimento emergencial no pronto-socorro de Corumbá e depois foi internado na Santa Casa. Ele não corre risco de morte.

Em relação à motivação das execuções, há uma versão de que pode ter sido por dinheiro. Segundo relatos de uma testemunha ao site Diário Corumbaense, na sexta-feira o arrendatário da área levou dois mil reais para pagar os funcionários. O assassino que ainda não teve o nome divulgado pode ter matado para roubar. Ele fugiu em um Fiat Strada, de cor branca, que estava na fazenda. O automóvel foi encontrado incendiado na manhã desta segunda-feira (14) na Rua Ceará, no Bairro Guarani. Os corpos foram levados para o IML (Instituto Médico Legal) do município para exames necroscópicos.

Comentários