Polícia resgata mãe e filho de cárcere e prende quadrilha

Da Redação/JN

A polícia resgatou duas vítimas de roubo e cárcere privado em um cativeiro na madrugada de hoje (22) em Campo Grande. Cinco pessoas foram presas, segundo informações do DOF (Departamento de Operações de Fronteira).

O veículo foi recuperado pelo DOF após desconfiar do casal que viajava em direção à fronteira (Foto: Divulgação/DOF)

A mulher, de 44 anos, e o filho de 15, estavam amarrados e vendados em um imóvel na capital. O caso foi descoberto pela polícia por volta das 3h, durante uma abordagem de rotina do Dof, próximo a Maracaju, sul do Estado.

Um homem e uma mulher, ambos de 30 anos, estavam com o veículo das vítimas e levantaram suspeita da polícia. Nenhuma irregularidade foi encontrada durante checagem da BMW X6 no sistema, mas o casal demonstrou nervosismo e não soube informar a origem do carro e nem o motivo da viagem naquele horário.

Enquanto o casal aguardava a abordagem, policiais da sala-rádio ligaram para o proprietário do veículo e o homem informou que havia registrado boletim de ocorrência de desaparecimento porque a esposa e o filho tinham saído para ir ao shopping e não haviam retornado para casa até aquele o momento.

Questionados pela polícia, eles confessaram participação no roubo do carro horas antes e indicou o local do cativeiro onde estavam as vítimas. Os suspeitos ainda afirmaram que usaram um carro preto para render as vítimas.

Os policiais repassaram a informação a policiais de Campo Grande, que localizaram o cativeiro e encontraram mãe e filho. No local, outros dois criminosos, de 24 e 31 anos, foram presos com um revólver calibre 32. Outra mulher também foi presa suspeita de participação no crime.

A polícia acredita que o veículo estava sendo levado para a fronteira, onde seria trocado por drogas ou armas. A ação teve participação de policiais da Força Tática do 9º Batalhão de Polícia Militar e a 6ª Companhia Independente de Polícia Militar.

Os quatro presos, a arma de fogo e o veículo das vítimas foram encaminhados à Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos), na Capital.

Comentários