Polícia leva 7 para delegacia após furto e abate de gado

O DOF (Departamento de Operações da Fronteira) levou sete pessoas para a delegacia após furto e abate de pelo menos 11 cabeças de gado. O caso ocorreu em propriedade rural em Anaurilândia e o esquema descoberto pelo corporação.

Sete pessoas são presas após furto de gado (Foto: Divulgação )

Durante policiamento de fronteira na cidade de Tacuru, distante cerca de 320 Km de Nova Andradina, os policiais foram informados de um esquema de furto de gado onde foi descoberta da participação de pessoas da região de Nova Andradina e Anaurilândia.

Segundo o DOF, o grupo contava com um funcionário da fazenda onde foi furtado o gado, um garagista e um contador que teria “esquentado” notas fiscais para abater o gado num frigorífico em Nova Andradina.

O furto ocorreu, segundo o proprietário da estância, de 60 anos, em sua propriedade localizada no município de Anaurilândia, onde teve 14 cabeças de gado furtadas. O crime aconteceu entre a tarde de quarta-feira (21), e a madrugada de quinta-feira (22).

Segundo relatos do fazendeiro à polícia, os criminosos quebraram três correntes das porteiras para terem acesso ao gado e usaram dois cavalos para apartar os animais subtraídos. Ele ainda acredita que provavelmente o fato se deu no período da tarde, uma vez que foram escolhidos os gados mais pesados.

Ainda de acordo com o proprietário rural, os autores conheciam o local de embarque, onde é necessário um conhecimento específico, pois tem um atoleiro, e os animais foram embarcados perfeitamente, sem nenhum problema. O rastro deixado no local é de um possível caminhão toco (dois eixos).

Esquema caiu

O esquema criminoso começou a cair após informações de que um homem identificado como José Carlos estaria procurando outras duas pessoas para embarcar gado na região de Anaurilândia no último dia 21. Ele chegou a comentar em bares da cidade que iria carnear uma novilha para as festas de final do ano. Como o suspeito não tinha gado, os policiais foram na residência dele, onde foi localizado com 15 quilos de carne bovina fresca. Ele relatou aos policiais que a carne era produto de uma res abatida por um garagista da cidade.

Questionado sobre a procedência, José Carlos disse aos policias que era produto de furto da propriedade rural do homem de de 60 anos, onde foram subtraídas 11 cabeças de gado. Ele ainda disse que acertou o furto do gado com o garagista, afirmando que iriam furtar cerca de 50 cabeças de gado, sendo que o valor de R$ 7 mil seria repassado a José Carlos, em dinheiro ou em um veículo da garagem.

José Carlos também informou que outras pessoas desconhecidas foram contratadas pelo garagista para recolher o gado na propriedade da vítima, onde no dia 21, por volta das 6h, um deles foi pego em frente a garagem, para irem ao sítio, onde cortaram os cadeados e correntes de acesso e recolheram o gado num caminhão que seria levado pelo garagista.

O furto do gado, como consta no boletim de ocorrência, teria sido planejado pelo garagista, onde José Carlos, disse que ele sabia que o gado furtado não tinha nota, mas que iria “tirar a nota” e mandar o gado para o Assentamento Teijin.

Após embarcar 11 cabeças de gado, o suspeito José Carlos disse que voltou para Nova Andradina, onde recebeu R$ 2 mil em cheque e o restante receberia depois, mas não sabia que o gado tinha sido abatido num frigorífico de Nova Andradina.

Depois dos fatos, a equipe do DOF foi até a residência do garagista, onde levou a equipe até sua chácara localizada às margens do anel viário da MS-134. No local foi abatido uma res furtada. Na residência do filho do garagista foi encontrado 40 quilos de carne, mas o rapaz alega não saber que era produto de furto.

Na chácara do suspeito, os policiais encontraram enterrados os restos da res abatida, com a marca vítima no couro do animal.

Todos os envolvidos no esquema de furto de gado, foram encaminhados a delegacia de Nova Andradina, sendo José Carlos e Eleonel Autuados em flagrante pela pratica do Abigeato.

Comentários