Polícia Federal faz busca em produtora de grandes artistas sertanejos em Goiânia

A produtora goiana Audiomix é um dos alvos da operação Maus Caminhos, da Polícia Federal do Amazonas, que visa desarticular uma organização criminosa que teria desviado cerca de R$ 112 milhões do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas. Na manhã desta terça-feira, a PF cumpriu um mandado de busca e apreensão na empresa, com sede em Goiânia.

Sede da Audiomix em Goiânia
Sede da Audiomix em Goiânia

De acordo com informações da PF, a empresa era utilizada pelo empresário Mohamad Mustafa para lavar dinheiro oriundo dos desvios milionários da área de Saúde do Amazonas. Mohamad é um dos principais investidores da produtora e principal investigado na ação.

O dono da AudioMix Marcos Araújo, o ‘Marquinhos’, também é alvo das investigações. A PF realizou mandado de busca e apreensão na casa do empresário e o levou para a sede da corporação em Goiânia para prestar depoimento para explicar a ligação de Mohamad com a produtora.

A AudioMix cuida e gerencia as carreiras de grandes nomes da música pop e sertaneja no Brasil. Entre eles, Wesley Safadão, Jorge e Mateus, Guilherme e Santiago, Israel Novaes e outros. “Com sede na cidade de Goiânia (GO), que é considerada o berço da música sertaneja, a AudioMix conta com empresas coirmãs, abrangendo praticamente todas as áreas do show business, permitindo a realização de serviços especializados e direcionados ao perfil de cada um dos artistas.

As empresas coirmãs são: AudioMix Eventos, AudioMix Digital, AudioMix Records, Grantur e Tic Mix, todas voltadas ao segmento artístico, facilitando o atendimento junto a parceiros e contratantes de shows”, diz o site da empresa.

A operação Maus Caminhos cumpre ao todo 13 mandados de prisão preventiva, 4 mandados de prisão temporária, 3 conduções coercitivas, 41 mandados de busca e apreensão, 24 mandados de bloqueios de contas de pessoas físicas e jurídicas (aproximadamente R$ 30 milhões), 31 mandados de sequestro de bens móveis e imóveis (aproximadamente R$ 50 milhões), todos expedidos pela Justiça Federal do Amazonas

Comentários

comentários