Polícia encerra buscas por corpo de menino em rio e investigação toma novo rumo

Da Redação/JN

Três horas após a retomada do início das buscas ao corpo de uma criança desaparecida, no Córrego Anhanduí, na altura do Bairro Pênfigo, o delegado titular da Depca (Delegaca Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), Paulo Sérgio Lauretto, determinou o encerramento das buscas.

Ponte Isolada onde os trabalhos estão sendo feitos na manhã deste sábado (22) (Foto: Flávia Galdiole/TV Morena)

A informação sobre o suposto corpo foi passada ao delegado por um suspeito, que estava preso na delegacia e confessou ter matado uma criança há alguns dias e atirado o cadáver em trecho do rio na avenida Thirson de Almeida, continuação da Ernesto Geisel.

As equipes chegaram por volta das 6 horas da manhã deste sábado (22), inclusive mudaram de local em busca de vestígios do garoto, mas nada foi encontrado. A família do menino acompanhou de perto a operação.

No entanto, segundo a tenente do Corpo de Bombeiros, Juliana Ribeiro, “por ordem do delegado, não achamos nada e o trabalho começou a ficar em vão. Por isso, foi encerrada as buscas”.

Os mergulhadores retornaram ao ponto em que as buscas foram iniciadas ontem (21), e depois de horas no local, mudaram de ponto indo para um trecho da Avenida Campestre, na altura da ponte do Pênfigo, na mesma região, mas nada foi encontrado.

Agora, a polícia deve traçar nova estratégia para tentar comprovar a versão do rapaz que não foi identificado, mas que está preso e havia informado que o corpo do menino estaria dentro córrego.

CASO

Kauan Andrade Soares dos Santos, de 9 anos, desapareceu no dia 25 de junho, quando saiu de casa para brincar com amigos. Informações adquiridas pelos parentes dão conta de que Kauan e os amigos estariam cuidando de carros em uma lanchonete no Bairro Cophavila II.

Já no período da noite, um mototaxista teria visto as crianças e ameaçado chamar o conselho tutelar.

Com medo, um dos garotos teria pedido para que o mototaxista o levasse de volta para casa. A segunda criança teria retornado a pé e, segundo os dois, Kauan teria permanecido no local.

A família registrou Boletim de Ocorrência na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Bairro Piratininga e as investigações são feitas pela Depca (Delegaca Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente).

Quem tiver alguma notícia do paradeiro de Kauan pode entrar em contato com a família pelos telefones (67) 99338-8493, (67) 992986985 ou com a polícia pelo 190.

Comentários

comentários