Polícia Ambiental inicia Operação pré-piracema em Mato Grosso do Sul

O MPE (Ministério Público Estadual) pediu à Justiça o afastamento do prefeito Alcides Bernal (PP) por irregularidades na contratação da Mega Serv para limpeza das unidades de saúde da Capital, em 2013.

PMA inicia forte fiscalização (Foto: Notícias MS)
PMA inicia forte fiscalização (Foto: Notícias MS)

O pedido de afastamento imediato foi feito na tarde de ontem (2) pela 30ª Promotoria do Patrimônio Público. O MP está reeditando um inquérito que trata sobre a contratação emergencial da Megaserv. A empresa entrou na prefeitura de Campo Grande para realizar limpeza de unidades de saúde .

“O prefeito Alcides Bernal esclarece que é um fato já anteriormente julgado improcedente pela justiça e que recebe esta situação reeditada pelo MPE com tranquilidade”, informou nota da Superintendência da Comunicação Social da prefeitura.

O MPE identificou que teria ocorrido improbidade administrativa na contratação a empresa, causando prejuízo ao erário municipal. “A contratação emergencial da Megaserv trouxe economia para os cofres públicos e resolveu uma grave situação que se instalava na cidade, que era a limpeza das unidades de saúde”, rebateu Bernal, via assessoria de imprensa.

A contratação da Megaserv aconteceu logo depois que o atual prefeito assumiu o Executivo. A justificativa de Bernal para que outra prestadora de serviço assumisse é de que a empresa anteriormente responsável pela limpeza das unidades de saúde era a Total, que havia recebido um reajuste contratual que fez o pagamento sair de R$ 7 milhões para R$ 11 milhões. A Megaserv teria sido contratada em uma nova licitação, esta emergencial, no valor de cerca de R$ 4 milhões, com contrato válido por seis meses, ainda segundo nota da assessoria de imprensa.

“Não há motivos para tal ação”, disparou o prefeito, por meio de nota.

Comentários

comentários