Polêmica faz defesa de Dilma desistir de uma testemunha

Senado começa a julgar hoje impeachment de Dilma - Foto: Divulgação
Senado começa a julgar hoje impeachment de Dilma – Foto: Divulgação

No segundo dia do julgamento final do processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff, diante de uma polêmica envolvendo a ex-secretária de Orçamento Esther Dweck, o advogado de defesa desistiu de ouvi-la como testemunha do processo.

A advogada de acusação, Janaína Paschoal, que também é uma das autoras da denúncia que motivou o processo contra Dilma Rousseff, colocou em suspeição a ex-secretária de Orçamento sob o argumento de que a mesma foi nomeada assessora “por uma parlamentar que é uma das mais ferrenhas defensoras de Dilma”, no caso, a senadora Gleisi Hoffmann.

“Na política a vingança é sempre maligna. Percebo que há intenção de desqualificar a professora Esther Dweck. Ela participou diretamente dos processos dos decretos, tem grande informação a respeito e, por isso, foi chamada como testemunha. O fato de ser nomeada a um cargo —e não foi ainda—, não significa nada, ela tem vínculo de origem. É professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)”, disse Cardozo que decidiu retirá-la do rol das testemunhas ” para não expor a professora a ataques de vingança”.

Além de abrir mão de uma testemunha, logo no início dos trabalhos hoje, Cardozo se antecipou e também solicitou que o professor Ricardo Lodi Ribeiro, que seria a última testemunha a ser ouvida, seja requalificado como informante “por ter atuado como assistente de perícia”.

Testemunha de acusação

Em outra questão de ordem, o advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, também pediu que a testemunha de acusação, Antônio D’Ávila, auditor do TCU (Tribunal de Contas da União), passe a constar nos autos apenas como informante. O argumento é de D’ávila admitiu ontem ter auxiliado o procurador Júlio Marcelo a redigir a peça de acusação contra a presidente Dilma Rousseff.

Matéria: Agência Brasil

Comentários

comentários