“PMDB só lançaria candidatura própria se tivesse chance de ganhar”, diz Mochi

Presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul e do PMDB do Estado, o deputado estadual, Junior Mochi, disse ao Página Brazil na manhã desta terça-feira (06), que o partido não lançou candidatura própria porque não tinha um nome que poderia ser eleito.

Conforme o deputado, o partido administrou a cidade por muitos anos e, agora, não poderia entrar na disputa pela prefeitura se não fosse para ganhar. “O PMDB, após 20 anos administrando a cidade, deixou um legado de trabalho em favor da nossa Capital. Por isso, não poderíamos ter uma candidatura apenas por ter. Teríamos que ter um nome competitivo, com chances reais de disputar o processo eleitoral e vencer”, disse o presidente regional do partido.

Um dos nomes do partido para disputar o pleito com chances de ser eleito, era o do ex-prefeito de Campo Grande e ex-governador do Estado, André Puccinelli. “Uma segunda opção seria o nome da senadora Simone Tebet ou do senador Moka. Porém, os três cogitados abriram mão da candidatura e não quiseram colocar os nomes à disposição do partido”, explicou.

Sem nome para disputar a prefeitura de Campo Grande, o partido decidiu priorizar a campanha dos vereadores. “Temos 33 candidatos na Capital e dedicaremos a eles o nosso apoio para fazer uma boa bancada na Câmara Municipal e também para nos prepararmos para os futuros embates”, finalizou.

Dos 33 candidatos que concorreram aos cargos de vereadores, o partido acredita que conseguirá eleger, pelo menos, cinco nomes.

Comentários

comentários