PMA prende e multa em R$ 24 mil casal de traficantes de aves

Lúcio Borges

O triste ‘mercado’ de trafico de aves é mais uma vez descoberto pelas policias de Mato Grosso do Sul, onde a PRE-MS (Polícia Rodoviária Estadual) barrou e após a PMA-MS (Policia Militar Ambiental de MS) em Batayporã, fez a prisão e multou dois criminosos. Os agentes ambientais autuaram nesta quarta-feira (24), um casal de traficantes de animais silvestres, que estava com 24 filhotes de papagaios. Os bichos estavam ilegalmente no veículo, abordado pela PMA da base do Distrito de Amandina, em Ivinhema.

O casal, que infelizmente não teve nome liberado pela polícia, comprou os animais no município, foi detido pela PRE, quando seguia com os animais para a capital de São Paulo. Eles responderão por crime ambiental e poderão pegar pena de seis meses a um ano de detenção. A PMA multou os infratores em um total de R$ 24 mil. A PMA encaminhariam as aves ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS) em Campo Grande.

Conforme a PMA, a apreensão até não é ‘novidade’, apesar de crime absurdo contra o Meio Ambiente, pois o período de agosto a dezembro é preocupante com relação ao tráfico de animais silvestres.

“Estes meses é o período reprodutivo dos papagaios que é o animal mais traficado no Estado. A PMA mantém trabalhos preventivos nas propriedades rurais para prevenir a retirada dos animais e aliciamentos de funcionários de fazendas e assentados pelos traficantes, para a retirada dos filhotes”, pontua direção da PMA.

TRABALHOS PREVENTIVOS

A PMA divulgou que está realizando trabalhos preventivos nas propriedades rurais, por meio de informação da legislação e Educação Ambiental, visto que o modus operandi principal dos traficantes é de aliciamento dos sitiantes e funcionários de propriedades rurais, para que retirem os animais e os avisem para que os comprem. Muitas pessoas fazem isto, às vezes, sem saber que estão cometendo crime ambiental.

A região principal do problema está sendo monitorada, tais como, os municípios de Jateí, Batayporã, Bataguassu, Ivinhema, Novo Horizonte do Sul, Anaurilândia, Santa Rita do Pardo, Nova Andradina e Brasilândia, além de Naviraí e Mundo Novo. Nessa região, ninhos também estão sendo monitorados pelos Policiais, para evitar a retirada dos filhotes, visto que essa é a preocupação maior. A base do trabalho é evitar a retirada dos animais, evitando custos à fauna e ao Estado, tendo em vista os altos custos financeiros, até a reintrodução dos filhotes na natureza.

“Barreiras também estão sendo executadas nas saídas para o estado de São Paulo, que é para onde os papagaios retirados aqui têm saído. As Subunidades da PMA que cobrem estas áreas estarão monitorando o movimento dos traficantes. Em princípio, para evitar que as aves sejam retiradas e, para reprimir prendendo os elementos, quando não é possível evitar a retirada dos bichos”, explicou comando da PMA-MS.

OPERAÇÕES

Duas operações preventivas entre PMA, IBAMA e ICMBIO envolvendo 60 policiais e fiscais já foram realizadas no Estado, no sentido de evitar que os animais sejam retirados da natureza.

Comentários