PMA barra crimes ambientais em três municípios entre desmatamentos e pesca ilegal

Lúcio Borges

A PMA-MS (Polícia Militar Ambiental de MS) barrou somente na tarde desta sexta-feira (19), três grandes crimes ambientais, entre desmatamentos e pesca ilegal, em três municípios distintos de Mato Grosso do Sul. Os absurdos dos crimes e infração as leis ocorreram nos município de Nioaque, Três Lagoas e Amambai, envolvendo moradores do Estado e de São Paulo.

A PMA de Jardim realizou vistoria em uma propriedade rural no município de Nioaque, a 60 km da cidade, visando ao combate ao desmatamento ilegal e conferiu na tarde desta sexta-feria (19), uma área desmatada, que medida com uso de GPS e apoio de imagens de drone perfez 3,29 hectares destruídos. O desmatamento foi descoberto por imagem de satélites.

 

Conforme a PMA, o infrator tem 55 anos, sendo residente em Guia Lopes da Laguna, que suprimiu a vegetação há algum tempo e não possuía autorização ambiental para a atividade. No lugar da floresta desmatada havia pastagem e criação de gado no local. Ele foi autuado e recebeu multa administrativa total de R$ 987,00.

O autuado também responderá por crime ambiental, que prevê pena de três a seis meses de detenção. Além disso, ele foi notificado a apresentar um Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA) junto ao órgão ambiental estadual.

Três Lagoas

Policiais Militares Ambientais de Três Lagoas, também agiram durante fiscalização fluvial no rio Sucuriú, a montante da Usina de Jupiá, nas proximidades da empresa Eldorado,  onde prenderam dois pescadores. A PMA não revelou nomes dos acusados, apontando apenas que são paulistas de 53 e 54 anos, que pescavam com petrecho de pesca ilegal do tipo rede.

A equipe localizou os infratores na tarde destas sexta-feira (19), no momento em que pescavam com uma rede de pesca (petrecho ilegal) e já tinham capturado 30 kg de pescado. A rede, o pescado, um barco e um motor de popa foram apreendidos.

Os infratores, residentes em Itapura (SP), responderão por crime ambiental de pesca predatória. A pena é de um a três anos de detenção. Eles também autuados administrativamente e multados em R$ 1.000,00 cada um.

“Fiscalizações preventivas dessa natureza são fundamentais para a prevenção à pesca predatória, tendo em vista o grande poder de captura e depredação dos cardumes, dos petrechos proibidos de pesca como esses apreendidos pelos policiais. Além disso, há grande dificuldade de deter os autores, pois tais petrechos são armados em curto espaço de tempo e os pescadores não permanecem no rio durante a pesca, fazendo somente a retirada dos peixes, também em tempo bastante curto”, declara agentes da PMA.

AMAMBAI

Já durante fiscalização ambiental nas propriedades rurais do município de Amambai, os agentes ambientais autuaram, também ontem à tarde, o proprietário de uma fazenda, por crime ambiental de exploração ilegal de madeira em área protegida por Lei.

O fazendeiro  realizou a derrubada de diversas árvores de grande porte em uma área de Mata Atlântica na propriedade, bioma protegido pela Lei Federal 11.428/2006, para uso da madeira na construção de cercados para criação de porcos e galinhas, sem autorização do órgão ambiental.

“As atividades foram paralisadas e a madeira apreendida. O infrator de 52 anos, é residente em Amambai, sendo autuado administrativamente e multado em R$ 5.500,00. O proprietário responderá por crime ambiental. A pena é de um a três anos de detenção”, apontou PMA local.

Comentários