PGR diz que Vander utilizou parte de propina para pagar dívidas de campanha

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) concedeu ao senador Fernando Collor (PTB-AL) “ascendência” sobre a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, por volta de 2009, “em troca de apoio político à base governista no Congresso Nacional”.

Vander teria utilizado valor de propina para pagar a dívida de campanha à prefeitura de Campo Grande, em 2012. (Foto: Arquivo)
Vander teria utilizado valor de propina para pagar a dívida de campanha à prefeitura de Campo Grande, em 2012. (Foto: Arquivo)

Na BR Distribuidora, segundo Janot, foi criada ao menos entre 2010 e 2014 “uma organização criminosa preordenada principalmente ao desvio de recursos públicos em proveito particular, à corrupção de agentes públicos e à lavagem de dinheiro”.

As afirmações de Janot integram a denúncia protocolada no STF (Supremo Tribunal Federal) contra o deputado federal Vander Loubet (PT-MS). O caso está sob análise do ministro Teori Zavascki, que deve decidir, sem prazo, se acolhe ou rejeita a denúncia. Lula não é alvo da acusação da Procuradoria.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (13) pelo jornal Folha de S. Paulo, que teve acesso a trecho da denúncia.

O deputado Vander Loubet e outras quatro pessoas, entre elas a esposa, Roseli da Cruz Loubet, e o cunhado Ademar Chagas da Cruz são acusadas de terem recebido propina com valores acima de R$ 1 milhão entre os anos de 2012 e 2014. O ex-ministro Pedro Paulo Leoni Ramos, ligado ao senador Fernando Collor (PTB-AL), e Fabiane Karina Miranda também foram denunciados.

A Procuradoria pede que o parlamentar seja condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e por fazer parte de uma organização criminosa.

 

O procurador destaca que, Collor nomeou os responsáveis pela diretoria da rede de postos de serviços, Luis Claudio Caseira Sanches, e pela diretoria de operações e logística, José Zonis. Essas diretorias serviriam de base para o pagamento de propina a Collor.

Janot também afirmou que quando parte da BR foi entregue ao senador Collor, a presidência era ocupada por Lula, do PT, e que por isso outra parte da estatal foi reservada ao Partido dos Trabalhadores, que fez duas indicações. Uma delas, a de Nestor Cerveró, para a diretoria financeira da empresa.

Em seu depoimento, Cerveró afirmou que em razão de ter viabilizado a contratação da empresa Schain como operadora da sonda Vitória 10000, ainda quando era diretor da área internacional da Petrobras, havia um sentimento de gratidão em relação a ele. E que, como reconhecimento, Lula decidiu indicá-lo para uma diretoria da BR Distribuidora.

A denúncia cita várias vezes o ex-ministro de Fernando Collor, Pedro Paulo Leoni Ramos, apontado como operador particular do senador no esquema. Segundo Janot, era alguém que agia com liberdade para implantar o que o procurador chama de um complexo esquema criminoso na empresa e que cobrava uma espécie de pedágio de quem tentasse fechar contratos com a BR Distribuidora.

Comentários

comentários