PF suspeita de “armação” em conversa que motivou prisão de Delcídio

Investigadores da Operação Lava Jato, sobre corrupção na Petrobras, já estariam convencidos de que houve uma espécie de “coordenação” ou “armação” para produzir o material que embasou a prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS no dia 25 de novembro). A informação está no jornal Folha de São Paulo deste sábado (23).

Senador está preso desde o dia 25 de novembro - Foto: Divulgação
Senador está preso desde o dia 25 de novembro – Foto: Divulgação

A gravação de conversa segundo investigadores da Polícia Federal, pode não ter sido iniciativa do filho do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Coluna do jornal deste sábado (23) traz informação de que os investigadores teriam concordado com a defesa do senador e acreditado que Bernardo Cerveró não teria agido sozinho.

A suspeita teria surgido depois de análise da gravação de conversa em que o senador negocia fuga a Cerveró e cita relações com ministro do STF para soltura do ex-diretor.

“A gravação produzida por Bernardo Cerveró para prender o senador foi “coordenada” por fora — e não uma decisão espontânea do filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró”, afirma o jornal paulista.

A gravação serviu como prova para justificar a prisão de Delcídio. O petista é acusado de tentar atrapalhar as investigações da Lava Jato.

Advogados do senador já disseram que preparam novo recurso para tentar tirá-lo da prisão. A primeira tentativa, ainda no fim do ano passado, não deu certo.

Delcídio, por sua vez, estaria irritado e se sentindo traído pelo governo federal, PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo interlocutores, estes agentes políticos não agiram em favor do senador quando ele mais precisou.

Publicação do assunto no site da Folha de S. Paulo (Foto: Reprodução)
Publicação do assunto no site da Folha de S. Paulo (Foto: Reprodução)

Comentários

comentários