PF prende advogado, estudante e comerciante com pornografia infantil

Da Redação JN

Um advogado, um estudante de direito e um comerciante foram presos nesta quinta-feira (18), em Campo Grande, em ação da Polícia Federal (PF) contra pedofilia. Contra eles havia mandado de busca e apreensão e foram encontrados imagens pornografia infantil nos computadores e por isso foram presos em flagrante.

Em coletiva de imprensa realizada no prédio da Superintendência da PF na Capital, os delegados Marcelo Alexandrino e Cleo Mazzotti informaram que as prisões ocorreram na Chácara Cachoeira, Vila Carvalho e no bairro Guanandi. O nome dos envolvidos não foi divulgado.

De acordo com a PF, um deles compartilhava imagens pornográficas quando os policiais chegaram.

A PF faz a ação antipedofilia em Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e mais 16 estados. O objetivo é apreender material e objetos relacionados ao compartilhamento e a posse de imagens e vídeos de pornografia infantil.

Durante as investigações, a PF identificou diversos usuários que baixavam e compartilhavam arquivos com imagens e vídeos de cunho pornográfico infanto-juvenil. Os suspeitos utilizavam softwares para compartilhamento de arquivos com usuários de todo o mundo, e ainda Intagram. Twitter, Facebook e outros.

Para todo o país foram expedidos 93 mandados de busca e apreensão. A Justiça também autorizou duas prisões preventivas (por tempo indeterminado) e uma condução coercitiva, quando o suspeito é levado a depor.

Os investigados podem responder por posse e compartilhamento de arquivos de pornografia infantil, com penas previstas que variam de 1 a 6 anos de prisão.

Segundo a PF, a operação foi batizada em homenagem a Araceli Cabrera Sánchez Crespo, uma menina brasileira de 8 anos que foi sequestrada, violentada e assassinada em 18 de maio de 1973. Posteriormente, a data ficou instituída como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”.

As ações ocorrem no Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo.

Comentários