Pesquisador que estuda drogas há 62 anos, é intimado pela polícia por ‘apologia ao crime’

POR RAFAEL CISCATI - O Globo

O professor Elisaldo Carlini, da Unifesp – Marcos Alves / Agência O GLOBO

 

SÃO PAULO – O professor Elisaldo Carlini, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), foi chamado a prestar depoimento pela polícia de São Paulo, na última quarta-feira, sob a alegação de fazer apologia ao uso de drogas. Carlini, de 88 anos, é considerado um dos principais especialistas em drogas psicotrópicas do Brasil. Há mais de 62 anos, estuda os efeitos dessas substâncias no corpo humano e seu potencial uso médico. Ficou conhecido por testar algumas delas em si mesmo – em laboratório e sob supervisão psiquiátrica.

Em mais de uma ocasião, Carlini declarou não apoiar – nem reprovar — o uso recreativo de drogas. Em um vídeo, divulgado na internet pelo blog Nocaute, de Fernando Moraes, o professor manifestou indignação com a intimação que recebeu da polícia:

— Meu trabalho foi citado mais de 12 mil vezes pelo mundo. E fui condecorado, em duas ocasiões, pelo presidente da República. Não tenho medo nenhum, mas me dá pena, fico sentido que o Brasil esteja nessa situação. Não sou eu que não mereço, é a ciência brasileira que não merece, porque tem outros que estão em igualdade comigo. É um trabalho seríssimo.

Carlini acumula méritos acadêmicos. Suas pesquisas mais conhecidas são sobre os usos medicinais da maconha. Os trabalhos que desenvolveu a partir dos anos 1980 permitiram o desenvolvimento, nos EUA, de medicamentos à base da planta, usados hoje para tratar náuseas e enjoos provocados pela quimioterapia em pacientes oncológicos.

Conhecido por suas posições políticas – em entrevista ao GLOBO em 2015, disse que a maconha se tornou uma droga proscrita não por razões médicas, mas por motivos políticos e econômicos – foi um dos criadores do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), uma entidade, vinculada à Unifesp, que funciona como centro de referência na pesquisa sobre o consumo dessas substâncias no país.

Revolta na comunidade científica

A intimação policial gerou revolta em meio à comunidade científica. Em sua página de Facebook, o neurocientista Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), publicou uma nota de apoio ao professor: “Trata-se de um atentado contra um senhor de quase 90 anos cujo ‘pecado’ é fazer ciência no Brasil de qualidade internacional. Se o professor Carlini foi parar na delegacia, imaginem o que poderá acontecer com outros cientistas brasileiros que estudam o potencial terapêutico dos canabinoides, psicodélicos etc?”

A Academia Brasileira de Ciências também emitiu uma nota de repúdio à intimação. De acordo com a ABC: “Acusar o Dr. Carlini de apologia às drogas equivale a criminalizar a inteligência e o conhecimento técnico-científico. Trata-se de uma provocação cruel e vazia contra um cientista que dedicou toda sua vida à fronteira do conhecimento”.

Outra crítica à intimação de Carlini veio de Volnei Garrafa, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Bioética da Universidade de Brasília (UnB):

– Uma pessoa que é um dos grandes pesquisadores deste país, com histórico de vida irretocável, e de repente vê surgir das sombras acusações deste tipo e é tratada desta forma, é algo espantoso e assustador. Isso mostra como as autoridades estão cada vez mais distanciadas da ética e do cotidiano da ciência no país. Além de uma autoridade científica, Carlini é uma autoridade moral. Quem fez isso com ele é que não tem moral nenhuma.

Segundo Garrafa, o episódio também pode atrapalhar as pesquisas não só sobre drogas e seus efeitos como em torno de outros temas polêmicos.

– Não é à toa que o Brasil não tem nenhum Prêmio Nobel – considerou. – Se um cientista de primeira linha como Carlini recebe como “prêmio” isso, é claro que outros pesquisadores ficam com pé atrás. É um desestímulo às pesquisas, pois o cientistas têm que ter liberdade para atuar e construir conhecimento.

Garrafa lembrou ainda que o Brasil já tem um sistema muito eficiente para garantir a ética nas pesquisas científicas, o que tiorna a ação policiail contra Carlini ainda mais descabida.

– É uma estrutura que funciona muito bem, o que torna ainda mais difícil digerir o que fizeram com Carlini – concluiu.

Em nota, a Unifesp também saiu em defesa de seu professor emérito:

“A universidade reforça o seu apoio ao profissional e defende a democracia, em um momento no qual as universidades públicas, que desenvolvem pesquisa de qualidade, lutam para continuar realizando ciência e formação, além de projetos sociais”, diz o texto. “Sendo assim, torna-se ainda mais importante defender a vida e a obra do professor Elisaldo Carlini. Também é fundamental defender a importância do desenvolvimento científico, sem o qual não se pode conquistar a evolução para a condição humana”, acrescenta.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo disse “que a Polícia Civil informa que o Ministério Público requisitou a instauração de inquérito policial para apurar uma palestra que aconteceria na Unifesp”. “O organizador foi chamado ao 16º DP para ser ouvido no dia 21 de fevereiro. O inquérito foi relatado à Justiça ontem (quinta-feira). Ninguém foi indiciado.”

Colaborou Cesar Baima

Comentários

comentários