Pedro Kemp explica Projeto de Lei que proíbe agrotóxicos cancerígenos no Estado

Pedro Kemp (PT), Deputado Estadual. (Foto: Paulo Francis)
Pedro Kemp (PT), Deputado Estadual. (Foto: Paulo Francis)

O Deputado Estadual Pedro Kemp (PT), esteve na tarde desta quinta-feira (3), no estúdio da Rádio Capital FM e Página Brazil, para falar sobre o projeto de Lei que quer tirar o agrotóxico cancerígeno, o Glifosato, da agricultura de Mato Grosso do Sul.

Pedro Kemp conta que foi feita uma audiência pública na Assembleia Legislativa sobre o uso de agrotóxicos na agricultura e as consequências para o meio ambiente e a saúde das pessoas. Segundo Kemp, a audiência contou com a presença de vários especialistas e pesquisadores que debateram sobre o assunto, e uma das soluções foi a apresentação de um projeto de Lei que proíbe o uso do Glifosato na agricultura do Estado.

“Este componente herbicida comprovadamente causa um série de doenças, entre elas, alguns casos de câncer, problemas neurológicos, de diabetes, entre outras doenças. Em função disso nos apresentamos o Projeto de Lei que proíbe a utilização do Glifosato na agricultura do Estado, e acreditamos que vamos ter a aprovação desse projeto por parte dos deputados”, afirma.

Pedro Kemp destaca que o Glifosato é um agrotóxico muito utilizado em Mato Grosso do Sul, visto que o Estado possui grandes extensões de áreas com plantações de soja, cana-de-açúcar, e esse componente, e intende-se que a exemplo de outros deve-se proibir o seu uso, uma vez que o mesmo está relacionado a causa de varias doenças.

Em relação as expectativas para o ano de 2016, o deputado explica que está em andamento na Assembleia Legislativa duas CPIs sobre a questão indígena. Uma investiga a questão da participação do CIMI (Conselho Indigenista Missionário) na ocupação de terras por parte dos índios em Mato Grosso do Sul, a outra CPI investiga os assassinatos cometidos contra lideranças indígenas nos últimos 10 anos.

“Eu espero que essas CPIs possam dar uma resposta a sociedade, mas ao meu ver, nós não vamos ter uma contribuição efetiva a partir das CPIs para a solução dos conflitos agrários envolvendo comunidades indígenas e produtores rurais. Nesse sentido eu vejo que a Assembleia Legislativa deverá continuar o seu trabalho de buscar junto ao Governo do Estado e ao Governo Federal, a discussão de medidas completas para a indenização de produtores rurais e a demarcação das terras indígenas”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários