PCs são demitidos após recém afastamento por acusações de quase seis anos

Lúcio Borges

Os investigadores de Polícia Judiciária em Mato Grosso do Sul – José Adão Corrêa, Oclécio José de Farias Júnior e Ronieri Isael Adomattis de Araújo acabaram por perder o cargo público devido a acusações de corrupção. O trio foi demitido nesta terça-feira (6), após três meses de afastamento das funções de policiais civis lotados em Coronel Sapucaia, a 400 km de Campo Grande. Contudo, os três já vinham sendo processados a quase seis anos, quando até foram presos.

A exoneração foi publicada nesta manhã (5), no DOE (Diário Oficial do Estado), que aponta a pena sendo aplicada após os servidores serem processados por enriquecimento ilícito, improbidade administrativa e peculato.

Os policiais foram presos há oito anos, no dia 7 de dezembro de 2012, em operação denominada Nhu-Verá, que significa Campo Brilhante. Eles foram presos sob suspeita de cometer crimes de corrupção passiva, peculato, inserção de dados falsos em banco de dados da administração pública e de formação de quadrilha.

Dias depois, os três conseguiram habeas corpus e foram soltos. Na época, a ação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) teve apoio da Corregedoria da Polícia Civil e da DECO (Delegacia Especial de Combate ao Crime Organizado).

Comentários