Pato cita lança atirada por torcedores, se queixa de violência e mira título

Alexandre Pato marcou seu 11º gol pelo São Paulo no ano (Fotos: Miguel Rojo/ AFP)
Alexandre Pato marcou seu 11º gol pelo São Paulo no ano (Fotos: Miguel Rojo/ AFP)

Autor do gol de empate do São Paulo, na vitória por 2 a 1 sobre o Danubio (URU), em Montevidéu, pela Copa Libertadores, Alexandre Pato reclamou da violência dos jogadores uruguaios. Segundo o atacante são-paulino, brutalidade não foi vista apenas dentro de campo, mas também por parte da torcida do Danubio.

– Me chutaram sem a bola, podia ter machucado, mas acontece, normal, tem que deixar passar. Fiquei um pouco irritado, estressado na hora, porque deram um carrinho no Centurión também muito forte. Mas Libertadores é assim, chegam com muita força e a gente tem que ser inteligente de não ficar nervoso – comentou o jogador, que completou pensamento:

– Depois do gol do Centurión, fiquei um pouco com medo, onde eles foram comemorar. Um cara jogou uma lança lá e cravou no chão, acho que era perigoso ficar ali, mas depois todo mundo ficou tranquilo – argumentou

Sobre possível renovação com o São Paulo, Pato preferiu se esquivar de tema. Artilheiro da equipe com 11 gols no ano, que está emprestado ao clube até dia 31 de dezembro, atacante diz estar mais preocupado em ajudar grupo e conquistar um título no Morumbi.

– Ele (Carlos Miguel Aidar) é o presidente do São Paulo. Eu tenho que pensar no meu grupo. Sobre a parte do salário vou pensar no fim do ano, mas tem coisas mais importantes agora. Jogo hoje, no domingo, dois campeonatos difícieis. Então minha cabeça está nos clássicos (Santos e Corinthians), na Libertadores. Minha meta é conquistar pelo menos um título aqui no São Paulo – concluiu.

LANCENET

Comentários

comentários