Para Mandetta as CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão devem ser a ‘Elba da Dilma’

DSC_0003Em entrevista ao programa Tribuna Livre, e ao portal Página Brazil, o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM), fez um balanço sobre a situação política e econômica do Estado e do País. “Existe hoje uma aversão total a tudo o que diz respeito à política. Tomando o exemplo dos EUA que antes da crise de 1929 vivia uma crise generalizada de corrupção. Quando a bolsa de valores quebrou naquele ano, os americanos olharam para aquela realidade e concluíram que aquela situação tinha que mudar e daquela crise emergiu uma grande nação. Quem sabe, se nos inspirarmos nesse exemplo, nós não pegamos essa situação brasileira, e a partir de um limão, não fazemos uma limonada”, afirmou o deputado.

Falando sobre o governo Dilma Rousseff (PT), o deputado declarou que “a presidente não tem nenhuma condição moral para propor um caminho para o País”, ao referir-se ao empenho da petista para tentar angariar o apoio dos governadores em um “pacto pela governabilidade”, durante reunião que será realizada na tarde desta quinta-feira (30), em Brasília. “Hoje, o país enfrenta uma crise econômica generalizada. Um breve passeio pelo Centro de Campo Grande e você ouvirá dos comerciantes uma redução de 30, 40% da atividade econômica”, analisou o deputado.

De acordo com o deputado, que é médico, a crise econômica e política no país gera ainda mais dificuldades nas reivindicações em áreas como a da saúde, por exemplo: “Nós reivindicamos que 10% da receita do país seja direcionada para a saúde. Mas quando apresentamos pautas nesse sentido, o governo argumenta: ‘Vamos criar um novo imposto para a saúde’. Ora, não é preciso criar um novo imposto para saúde, apenas o correto direcionamento do que já foi criado originalmente para a saúde”.

O deputado avaliou o que se pode esperar do segundo semestre na Câmara dos Deputados em Brasília: “Nós teremos um segundo semestre muito intenso de para o país, com momentos de alta tensão para o destino do Brasil”. a abertura de duas CPIs, a do BNDES e dos Fundos de Pensão, que devem ter fatos graves a serem apurados, uma vez que o governo se esforçou tanto para que não fossem criadas e o pano de fundo vai ser sempre essa história do impeachment, diante da eventual abertura de uma comissão processante por conta das ‘pedaladas fiscais’ e da análise de contas [do governo DIlma].

Para Mandetta, “Esse vai ser um semestre muito intenso e a participação da população deve ser muito importante nesse processo, para fazer prevalecer à vontade política da população naquela casa”. Diante da eventualidade da abertura de um processo de cassação de mandato da petista, questionamos o deputado sobre qual seria, na opinião dele, o fator determinante da abertura do processo, o “Fiat Elba” da Dilma (em alusão ao automóvel que desencadeou o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Para Mandetta, a princípio, “essas duas CPIs, que são de responsabilidade do governo, a do BNDES e dos Fundos de Pensão, que podem comprometer o governo e podem vir ser a ‘Elba da Dilma’.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários