Papa Francisco diz que não julga Trump e prefere observar seu comportamento

papa-franciscoO papa Francisco afirmou, em entrevista ao jornal italiano La Repubblica, que não julga o novo presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, mas prefere observar seu comportamento durante o governo. A informação é da Agência Ansa.

“Eu não faço julgamentos sobre pessoas ou figuras políticas. Só quero entender quais são os sofrimentos que eles causam aos pobres e excluídos por seu modo de agir”, disse ao ser perguntado sobre o que pensava do magnata republicano.

No entanto, ao ser questionado sobre quais os sofrimentos que mais o deixam preocupado, o pontífice mostrou posição completamente oposta às promessas da campanha eleitoral do norte-americano. Segundo ele, a maior preocupação atual é “a dos refugiados e dos imigrantes”.

“Infelizmente, muitas vezes, há apenas medidas contrárias às populações que temem ficar sem trabalho e reduzir seus salários. O dinheiro é contra os pobres e contra os imigrantes e refugiados, mas também há os pobres dos países ricos, aqueles que temem o acolhimento dos semelhantes provenientes de países pobres. É um ciclo perverso e deve ser interrompido”, acrescentou.

Sem citar um caso específico, o papa afirmou que é preciso “destruir os muros que dividem” e “construir pontes que permitam a diminuição das desigualdades e acrescentam a liberdade e os direitos”. “Mais direitos e mais liberdade”, destacou.

Esta não é a primeira vez que o líder católico é questionado sobre o polêmico novo presidente dos Estados Unidos. Antes da viagem ao México e aos EUA, no início deste ano, o então pré-candidato à Presidência afirmou que o sucessor de Bento XVI era “muito politizado” e que “não entendia” os problemas de seu país.

Sobre a declaração, o líder da Igreja Católica disse aos jornalistas que “uma pessoa que pensa em construir um muro, qualquer que seja, em vez de criar pontes, não é cristão. Isso não está no Evangelho”, afirmou em referência à ideia do magnata de construir uma barreira na fronteira entre o México e os EUA. Poucas horas depois dessa fala, no entanto, Trump mudou de opinião e disse que o líder religioso era “maravilhoso”.

Comentários

comentários