Papa elogia governo de Evo Morales e ganha uma “cruz comunista” de presente

Em seu discurso, Franscisco criticou o consumismo e a degradação ambiental, além de destacar a violência doméstica, o alcoolismo e o machismo como ameaças à família; Morales saudou o papa e disse que ele representa “esperança”, presenteando-o com uma cruz formada por uma foice e um martelo

O papa Francisco chegou ontem (8) à Bolívia e foi recebido pelo presidente do país, Evo Morales. Os dois trocaram presentes no Palácio do Governo, em La Paz. O pontífice elogiou a gestão do líder indígena, recebeu uma cruz formada com um martelo e uma foice, e também o “Livro do Mar”. Morales ainda deu a Francisco a medalha Condor dos Andes, condecoração máxima da Bolívia, e a distinção Luis Espinal, que foi criada para reconhecer quem possua uma fé religiosa e se destaque por defender os pobres, marginalizados e doentes.

O Papa Francisco acena ao lado do presidente da Bolívia, Evo Morales, e do vice-presidente, Álvaro Garcia Linera, no aeroporto de El Alto, na quarta (8) (Foto: AFP Photo/Cris Bouroncle)
O Papa Francisco acena ao lado do presidente da Bolívia, Evo Morales, e do vice-presidente, Álvaro Garcia Linera, no aeroporto de El Alto, na quarta (8) (Foto: AFP Photo/Cris Bouroncle)

Em seu discurso, o presidente saudou a melhoria nas relações com a Igreja, após um passado turbulento. “Em muitos momentos históricos, a Igreja foi utilizada para a dominação, subjugação e opressão. Agora, o povo boliviano te recebe com alegria e esperança”, disse Morales. “Nós te recebemos como o principal representante da Igreja Católica que vem apoiar a libertação de nosso povo boliviano.”

Na Catedral de La Paz, o religioso falou sobre a “especulação financeira” e o consumismo dos dias atuais. “Se a política se deixa dominar pela especulação financeira, ou a economia se deixa reger apenas pelo paradigma tecnocrático e utilitarista da produção máxima, não poderão sequer compreender – e muito menos resolver – os grandes problemas que afetam a humanidade”, afirmou.

Em sua fala, ele abordou ainda temas como a degradação ambiental, além de destacar a violência doméstica, o alcoolismo e o machismo como ameaças à família. Ele pediu uma “particular atenção à justiça distributiva” e uma aposta na cultura e na educação “ética e moral”, que cultive “atitudes de solidariedade e corresponsabilidade entre as pessoas”.

Ao final do encontro, o papa seguiu para o aeroporto de El Alto para o segundo voo do dia, rumo a Santa Cruz de la Sierra, evitando assim os efeitos de altitude da capital. Para evitar problemas, Francisco bebeu uma infusão de folhas de coca, camomila e anis.

* Com informações da Reuters e Agência Lusa

Comentários

comentários