Palmeiras supera protestos, joga bem e elimina o Barranquilla

Gazeta Esportiva /JN

Com o triunfo, o Alviverde chegou aos nove pontos e manteve a vice-liderança do Grupo F

O Palmeiras voltou a marcar e a vencer. Nesta quarta-feira, o Verdão encerrou um jejum de três jogos e respondeu às críticas da torcida com gols e uma boa atuação para bater o Junior Barranquilla por 3 a 0, no Allianz Parque, pela quarta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da América. Dudu, Deyverson e Hyoran pipocaram as bolas na rede.

Deyverson comemora gol do Palmeiras (Foto: Marcos Ribolli))

Com o triunfo, o Alviverde chegou aos nove pontos e manteve a vice-liderança do Grupo F, com um ponto a menos que o San Lorenzo. Já os colombianos do Barranquilla estão matematicamente eliminados da competição por não terem pontuado até aqui. Na próxima rodada, apenas no dia 25 de abril, o Palestra joga por um empate simples contra o Melgar, no Peru, para se garantir nas oitavas de final.

Dizem que Libertadores é clima de guerra. E nesta quarta-feira, foi mesmo, mas da própria torcida do Palmeiras contra sua equipe. Antes de a bola rolar, o ônibus do clube foi apedrejado na chegada ao Allianz Parque e as arquibancadas entoaram gritos de “time sem vergonha” e “pipoqueiros” ainda no aquecimento dos atletas no gramado.

Bastou o árbitro apitar o início da partida, porém, para o ambiente do estádio se transformar por alguns minutos. A torcida, antes ‘cornetando’ os atletas, passou a incentivar em volume ainda mais alto que o normal. E os atletas responderam em campo.

Houve a preocupação de os palestrinos não conseguirem focar e estarem abalados no duelo em virtude dos acontecimentos antes da partida. Aos sete minutos, Luan quase marcou contra ao tentar afastar, mas Weverton salvou o lance fortuito. Depois disso, só deu Verdão.

Aos 19 minutos, os mandantes abriram o placar. Scarpa cobrou falta no canto do goleiro, que espalmou na direção de Dudu. O camisa 7 dominou e deu um tapa bonito, mas Viera foi buscar mais uma vez. No novo rebote, porém, Deyverson mandou de cabeça para as redes.

O Alviverde ainda criou uma ótima oportunidade pouco depois com Dudu, que recebeu passe de calcanhar de Gustavo Scarpa, mas parou no goleiro colombiano.

A dupla, junto com Zé Rafael, foi destaque na primeira etapa justamente pela movimentação, que deu trabalho para os visitantes.

Nos 15 minutos finais, o Palestra se limitou a defender e o Junior Barranquilla não conseguiu furar a marcação. A postura defensiva foi o suficiente para voltar a irritar os torcedores. Os presentes vaiaram muito o toque de bola adversário e, quando o árbitro apitou o final do primeiro tempo, parte da torcida seguiu vaiando, descontente com o desempenho do Palmeiras.

O time pareceu ter ouvido o recado. Na volta do intervalo, o Verdão voltou a campo disposto a matar o jogo e não apenas se defender. Com nove minutos, Dudu recebeu de Bruno Henrique e, de fora da área, acertou um lindo chute, que desviou na trave antes de morrer nas redes. Uma pedrada no gol, do ídolo hostilizado há pouco. O camisa 7 celebrou demais, reuniu o elenco na lateral do gramado e ganhou um abraço de Felipão.

Com o Barranquilla sendo eliminado da competição, o jogo ficou fácil para o Palmeiras. Aos 34, Felipe Pires avançou pela direita e deixou Scarpa na boa para marcar. O meia chutou, mas Viera se recuperou no lance e fez a defesa em uma oportunidade inacreditável perdida pelo atacante.

Quem não perdeu a chance incrível foi Hyoran. Com 43 jogados, o meia recebeu a bola no ataque, tocou para Dudu, que devolveu de letra, matando a defesa adversária e deixando o companheiro sozinho para empurrar para as redes.

Comentários