Palmeiras cresce com Felipão, melhora defesa e chega forte para jogo com o Boca

Globo Esporte/JN

Espião Estatístico mostra como os números do Verdão melhoraram

O Palmeiras tem na noite de quarta-feira, às 21h45, a primeira parte da batalha diante do Boca Juniors, pela semifinal da Libertadores. O Alviverde está com mais moral do que nunca na temporada, a defesa tem funcionado quase que de forma brilhante, e o time lidera o Brasileiro com folga. A explicação para o ótimo momento tem nome e história no clube: Luiz Felipe Scolari.

O técnico Felipão, do Palmeiras (Foto: Divulgação)

Quando o treinador foi anunciado, o milionário elenco estava desacreditado, e a equipe estava na sexta colocação do Brasileiro, oito pontos atrás do líder Flamengo. O Espião Estatístico mostra no Troca de Passes desta terça-feira a evolução das estatísticas no Palmeiras com Felipão.

Rendimento e defesa melhoram

Scolari chegou ao Palestra e o clima mudou. O rendimento subiu e a defesa cresceu de produção. Apenas no parte ofensiva que o Alviverde não melhorou. Confira abaixo os números detalhados do ano palmeirense.

Vale lembrar que Scolari disputou partidas de Copa do Brasil, Brasileiro e Libertadores apenas, enquanto que os números antes de sua chegada contam com os jogos do Campeonato Paulista, o que enaltece ainda mais o aproveitamento. Outro fato curioso da “defesa que ninguém passa” é que ela não foi vazada em 15 dos 22 jogos com Felipão.

Ainda na parte defensiva, os maiores cuidados precisam ser com contra-ataques, jogadas aéreas e o lado esquerdo da zaga. Três gols nasceram de contra-ataques (43%), dois foram a partir de bolas pelo alto (28%) e, dos cinco gols de bola rolando, três (60%) começaram no lado esquerdo da defesa alviverde.

Comentários