Pacto pela saúde prevê aumento de 72 leitos em Campo Grande

O Governo do Estado estendeu a proposta de fazer repasse para a Santa Casa e propôs um Pacto da Saúde que prevê investimento nos hospitais com contratação de funcionários e abertura de 72 leitos em Campo Grande.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, revelou durante prestação de contas na tarde desta quinta-feira (25), para a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, para o Hospital Regional, o novo pacto da Saúde promete a contratação de 233 novos funcionários (Já anunciados pelo governador Reinaldo Azambuja recentemente), mais 10 novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva); para a Maternidade Cândido do Mariano serão mais 10 novos leitos de UTI Neonatal; ao Hospital Universitário mais 10 leitos de UTI Neonatal, 10 leitos infantis e duas UTIs adulto; ao Hospital do Câncer a proposta é ajuda para concluir dois andares usados pelo evento Casa Cor para se tornar a área administrativa e assim ampliar mais 12 leitos para o hospital; ao São Julião serão mais 22 leitos e R$ 600 mil de custeio; e ao Hospital do Pênfigo serão contratualizadas cerca de 150 cirurgias de média e alta complexidades em Ortopedia.

Secretário de Saúde, Nelson Tavares - Foto: Roberto Higa / ALMS
Secretário de Saúde, Nelson Tavares – Foto: Roberto Higa / ALMS

“Ainda estamos estudando outros pontos para firmar o acordo final de forma que inclua o Hospital Nosso Lar e duas UPAs [Unidades de Pronto Atendimento] de Campo Grande. Estamos aguardando de imediato a resposta da Santa Casa, mas já adiantamos que esse é um governo que quer uma mudança de posturas. Que não quer resolver coisas pontuais, mas rever a Saúde toda”, ressaltou o secretário estadual.

SANTA CASA

Para a Santa Casa foi proposto R$ 3,5 milhões mensais em repasses, ou seja, ampliando R$ 500 mil do que já é repassado e mais R$ 1 milhão de imediato para obras no hospital. “Sabemos que não é o ideal, mas é o real e saudável que podemos fazer para poder investir em outros”, disse o secretário, visto que a Santa Casa pede que o repasse aumente para R$ 4 milhões.

o diretor-presidente da mantenedora do hospital, Associação Beneficente de Campo Grande, Wilson Teslenco, explicou que o contrato para repasses venceu em 7 de dezembro de 2014, depois foi renovado por quatro meses que venceu em 7 de abril de 2015. Com o vencimento o hospital ficou 30 dias sem contrato, renovou de novo e venceu oficialmente em 7 de junho não sendo renovado pelo governo até o momento.

Comentários

comentários