Outro vídeo pornô é descoberto nas Cataratas do Iguaçu

O diretor francês de filmes pornográficos, Pierre Woodman, não foi responsável somente pela gravação nas trilhas e mirantes das Cataratas do Iguaçu, conforme revelou o jornal Folha da Fronteira. Quando esteve no Brasil aproveitou para filmar, também, na embarcação do Macuco Safari, um dos passeios mais procurados pelos turistas que visitam Foz do Iguaçu.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

A revelação foi feita pelo próprio diretor em sua página na internet. De acordo com Woodman, as filmagens foram feitas há 15 anos, aproximadamente. Diferente das Cataratas, os envolvidos nas cenas no barco são as atrizes brasileiras identificadas como Alma Dragon e Daniella. O nome do ator não foi identificado.

De acordo com o site Primeira Linha, o vídeo de 18 minutos começa com várias imagens de arquivo do atrativo turístico, e na sequência os atores embarcando no porto do Macuco Safari. Pelo menos sete pessoas estavam no barco. Além dos três atores, o cinegrafista e diretor, o piloto e copiloto, que foram preservados pela produção e apenas conduziram o barco. Após alguns minutos navegando pelo Rio Iguaçu, próximo às quedas eleitas como uma das 7 Novas Maravilhas da Natureza, os passageiros são levados a um ponto afastado do tradicional passeio, longe das Cataratas e de pouco acesso de outras embarcações. É neste ponto que as cenas explícitas começam. Os atores, inclusive, desrespeitam uma das regras de segurança do passeio, e retiram os coletes salva-vidas.

Ninguém da gerência da empresa Ilha do Sol Agência de Viagens ? que coordena o Macuco Safari ? foi encontrada para comentar sobre o filme. A reportagem do Folha da Fronteira apurou que é possível fazer locação de barcos para passeios particulares, com um mínimo de quatro pessoas. Neste caso, os valores são bem mais altos do que os oferecidos no passeio tradicional: R$ 358,00 por pessoa. No passeio tradicional, o ingresso inteiro custa R$ 179,00 e a meia-entrada R$ 89,50. Todas as embarcações vão com piloto e copiloto.

Questionado como teria conseguido autorização para as filmagens no barco e quanto teria gasto na produção, Woodman se limitou a dizer através de seu perfil em inglês, que “tudo foi gerido da maneira como tem que ser. E sobre os custos, desculpe, mas não é problema seu”, escreveu.

Comentários

comentários