Organizador de eventos usa dinheiro de festa e formandos ficam sem baile

Formandos não tiveram o baile de formatura

O que seria o sonho de acadêmicos do curso de Educação Física de uma universidade particular em Campo Grande, se tornou pesadelo no último sábado (28). No dia do tão esperado baile de formatura, os 18 formandos tiveram a triste notícia de que não haveria a festa. A ‘dor de cabeça’ causada pelo cancelamento estava longe dos pensamentos da turma.

No início tudo ocorria como planejado. A comissão de formatura fechou o contrato com uma empresa da Capital no ano de 2015, após verificarem sua procedência. As mensalidades começaram a ser pagas, e alguns eventos foram desfrutados. Mas, uma semana antes do baile de gala, o proprietário do local responsável pela organização da formatura, Marco Aurélio Borges Ferreira, comunicou que a realização do evento não seria possível. Comovidos com a notícia, os representantes da turma procuraram outro local, mas o empresário alegou que não pagaria o aluguel do salão, pois ele teria usado o dinheiro para resolver problemas pessoais.

De acordo com Jaime Lima, membro da comissão de formatura, Marco Aurélio utilizou o dinheiro para pagar honorários de um advogado, pois seu filho havia sido preso por tráfico de drogas. “Ainda tem a questão dos convites extras, ele recebeu o valor de 150 convites. No dia 20 de janeiro ele ainda recebia o valor de alguns convites, provavelmente já sabendo que a festa não aconteceria”, lamenta.

O cancelamento acarretou prejuízos aos acadêmicos, que haviam investido em locação de roupas e compra extra de convites. Parentes que residem em outras cidades se deslocaram à Capital e também tiveram gastos.

Em conversa com a turma, o organizador de eventos propôs uma nova data para o tão sonhado dia. Mas, os formandos devem avaliar a proposta e impor alguns critérios. Ao todo, estima-se que o investimento seja de R$ 55 mil.

Procurado pelo Página Brazil, Marco Aurélio não foi encontrado.

 

 

Comentários