ONU: quase 250 milhões crianças e jovens são intimidadas nas escolas

Relatório da Unesco mostra que responsáveis pelo “bullying” tem como alvo a aparência física, etnia, gênero ou orientação sexual de suas vítimas (Foto: ONU/Sophia Paris)

Um relatório divulgado esta terça-feira pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, mostrou que quase 250 milhões crianças no mundo sofrem algum tipo de intimidação nas escolas, o chamado “bullying”.

Segundo a agência da ONU, os responsáveis pela intimidação geralmente escolhem suas vítimas pela aparência física, etnia, diferenças culturais ou pelo gênero ou orientação sexual.

Grave

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, afirmou que “a violência e o bullying nas escolas representam uma grave violação do direito à educação”. Nesse momento está sendo realizado em Seul, na Coreia do Sul, um simpósio internacional para debater o problema.

O relatório diz que todas as crianças e adolescentes correm o risco de sofrerem violência ou bullying nas suas escolas, mas os responsáveis têm como alvo fatores que mostram algum tipo de vulnerabilidade.

Entre eles, o documento cita a pobreza ou o status social da vítima. Além disso, mostra que as crianças que têm algum tipo de deficiência ou aparência diferente, como por exemplo, obesas ou muito magras, também se tornam vítimas de intimidações.

Cyberbullying

Os autores do relatório analisaram também onde esses problemas ocorrem. No caso da agressão física, ela é mais frequente no ensino fundamental. Já o “cyberbullying”, ou as intimidações feitas pela internet, é mais comum entre os alunos do ensino médio.

Segundo o representante da Unesco no simpósio, Christopher Castle, o problema tem sido “negligenciado e ignorado há muito tempo”. Ele disse que o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 4 trata especificamente do assunto.

Castle explicou que a meta da Agenda 2030 é alcançar “um ambiente de aprendizado seguro, sem violência, inclusivo e eficaz para todas as crianças e jovens em todo o mundo”.

Comentários