Olarte pede prazo de 90 dias para viabilizar acordo com professores

“Pedimos aos professores para voltarem às aulas e em noventa dias, em outra realidade financeira, voltaremos ao diálogo. Em agosto começaremos a viver um novo momento nas finanças do município e a ‘subir a ladeira’. A frase é do prefeito Gilmar Olarte (PP) durante entrevista ao programa Tribuna Livre, na Capital FM.

Prefeito durante entrevista ao programa Tribuna Livre Foto Silvio Ferreira
Prefeito durante entrevista ao programa Tribuna Livre Foto Silvio Ferreira

Para o prefeito de Campo Grande, “o que amarra um acordo que acabe com a greve dos professores é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O limite prudencial previsto pela lei não pode ser ultrapassado. Ao nos aproximarmos de 54% da folha, não podemos avançar nos custos. Inclusive, tenho prazo para reduzir esse índice. Caso esse percentual não seja reduzido, aí sim, eu estaria dando um motivo concreto – que até hoje não existe – para um processo de impedimento, que uma minoria que defende o ‘quanto pior melhor’ para o município, deseja”, defendeu.

“Temos 53% de comprometimento da folha. Em Brasília, no encontro dos prefeitos com presidente do Senado e da Câmara, falamos sobre um pacto federativo. Porque hoje, no Nordeste, por exemplo, 70% dos municípios estão com orçamentos estourados, porque o governo federal aprovou uma lei aprovando reajustes de pisos de categorias sem apontar de onde viriam os recursos. Isso é fazer cortesia com o chapéu alheio”. “É preciso que se proponham reajustes, mas que se aponte de onde virá o dinheiro. Diminuíram o valor de repasse…Hoje eu recebo 20 e poucos milhões do Fundo de Participação dos Municípios para a Educação e gasto R$40 milhões só com folha dos profissionais. Essa conta não fecha nunca!” E ainda afirmou: “os professores de Campo Grande ganham o melhor salário do país, com 20 horas por semana de jornada”.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários