OAB/MS apoia pedido de impeachment da presidente Dilma

A OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul) se posiciona favorável ao processo de impeachment. Segundo a Ordem, a entidade ressalva a necessidade de obediência ao devido processo legal e atenção às provas produzidas. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (18) pelo Conselho Seccional da OAB/MS.

Ato da OAB-MS em Campo Grande a favor do processo de impeachment de Dilma - Foto: Gerson Walber / OAB-MS
Ato da OAB-MS em Campo Grande a favor do processo de impeachment de Dilma – Foto: Gerson Walber / OAB-MS

Durante a sessão do Conselho Seccional, os integrantes estenderam bandeira do Brasil em uma mesa como forma de protesto pela atual crise política no país. Foi feita também uma moção de apoio ao Conselho Federal sobre o impeachment.

Quem presidiu a sessão foi, excepcionalmente, o vice-presidente Gervásio de Oliveira Junior. O presidente Mansour Karmouche não participou da reunião porque está junto ao Conselho Federal, em Brasília.

Segundo a assessoria da OAB, registrou-se também durante a sessão, frente às escutas telefônicas amplamente divulgadas na mídia nacional, a preocupação a respeito da obediência às prerrogativas profissionais do advogado, que são “inegociáveis a qualquer preço”; bem como a indignação quanto às palavras do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, dirigidas à OAB e ao presidente do Conselho Federal, Claudio Lamachia.

“É um momento histórico para a Ordem dos Advogados do Brasil e que está definindo quais serão os destinos da nação brasileira. Tenho certeza que, com maturidade e muita lucidez, nós faremos essa travessia de modo seguro para que o povo brasileiro tenha a perspectiva de um futuro muito melhor”, declarou Gervásio de Oliveira Junior.

Gervásio estava acompanhado pelos demais membros da diretoria, o secretário-geral, Marco Aurélio de Oliveira Rocha e o diretor-tesoureiro Stheven Razuk. Além dos conselheiros seccionais, participaram da sessão os ex-presidentes da entidade, Leonardo Nunes da Cunha, Marcelo Barbosa Martins, Elenice Carille, Geraldo Escobar e Fábio Trad.

Os presentes reafirmaram que há amparo legal, com documentos tornados públicos, para que a investigação sobre o atual minitro-chefe da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva, siga adiante, além da instalação do processo de impeachment da presidente.

“Os fatos maltratam a probidade administrativa, que justifica o restabelecimento da Ordem Constitucional”, disse o vice-presidente da OAB-MS, Gervásio de Oliveira Junior.

Comentários

comentários