Nove das dez cidades mais violentas do mundo estão na América Latina, mostra ONG

Em 2015, nove das dez cidades mais violentas do mundo estavam na América Latina, com Caracas no topo da lista, mostra o estudo Justiça Possível, da organização não governamental (ONG) Segurança, Justiça e Paz (SJP), do México.

“Caracas, a capital venezuelana, com mais de 3,2 milhões de habitantes, ocupou o primeiro lugar, com 3.946 assassinatos em 2015, o que representa 119,87 mortes violentas por cada 100 mil habitantes”, diz  o estudo.

Segundo a SJP, o estudo analisou as mortes violentas ocorridas em 2015 em 50 cidades do mundo com mais de 300 mil habitantes e o número de assassinatos por cada 100 mil habitantes.

Foto ilustrativa
Foto ilustrativa

“Representa um grande desafio determinar a incidência real dos homicídios nesse país (Venezuela), pois os governantes, em lugar de transparência e prestação de contas, preferem o ocultamento ou a propaganda, muitas vezes baseada em mentiras”, acrescenta o documento.

De acordo com a ONG, para o estudo foram consultadas fontes oficiais e notícias da imprensa, de que “o caso da Venezuela não é isolado na região” pois “41 das 50 cidades mais violentas do mundo estão na América Latina”.

O documento informa ainda que depois de Caracas, com 119,87 assassinatos por cada 100 mil habitantes, seguem-se as cidades de San Pedro Sula (Honduras), San Salvador (El Salvador) e Acapulco (Mèxico), com 111,03, 108,54 e 104,73 assassinatos por 100 mil habitantes, respectivamente.

No quinto lugar está a cidade venezuelana de Maturín, seguindo-se o Distrito Central das Honduras e de novo uma cidade venezuelana, Valência.

Os últimos lugares das dez cidades mais violentas são ocupados por Palmira (Colômbia), a Cidade do Cabo (África do Sul) e Cali, na Colômbia. A Cidade do Cabo é a única que não está na América Latina.

O relatório mostra também que, comparando com 2014, oito cidades saíram do ranking da violência: Belo Horizonte (Brasil), Medellín e Cúcuta (ambas na Colômbia) e as mexicanas Chihuahua, Cuernavaca, Juárez, Nuevo Laredo e Torreón.

Agência Brasil

Comentários

comentários