Novas revelações mostram que sentença de Lula deve ser anulada, diz defesa

VEJA/JP

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo, 30, que os novos diálogos revelados pelo site The Intercept Brasil, em parceria com o jornal Folha de S. Paulo, sobre como o empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS Engenharia, mudou seus depoimentos para incriminar o petista no caso do tríplex do Guarujá mostram que a condenação precisa ser anulada.

“As novas revelações se somam a tantas outras que mostram a necessidade de ser anulado todo o processo e a condenação imposta a Lula, com o restabelecimento de sua liberdade plena”, disse o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente.

Segundo Martins, a reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo mostra que Léo Pinheiro, “que ao longo do processo nunca havia incriminado Lula, foi pressionado e repentinamente alterou sua posição anterior em troca de benefícios negociados com procuradores de Curitiba, obtendo a redução substancial de sua pena”.

Zanin lembra que em duas ocasiões – em 16/06/2016 e em 14/04/2017 – a defesa apresentou uma petição, chamada “notícia de fato”, à Procuradoria Geral da República para que fossem devidamente apuradas informações divulgadas pela imprensa “dando conhecimento de que Léo Pinheiro estaria sendo forçado a incluir artificialmente o nome do ex-presidente Lula no seu acordo de delação”. “Tais procedimentos, no entanto, foram sumariamente arquivados”, afirmou o advogado.

O defensor diz, ainda, que também alertou no início do depoimento de Leo Pinheiro, com base em reportagem da própria Folha de S. Paulo e do Valor Econômico publicadas naquela data (23/04/2017), que estava em curso uma negociação com procuradores da Curitiba sobre a versão que seria apresentada por Léo Pinheiro naquela ocasião.

“Com base nesses fatos, pedimos a suspensão do depoimento naquele momento, diante do prejuízo imposto à defesa de Lula — pois enquanto a acusação estava conversando com o ex-executivo sobre premiação para que ele incriminasse Lula, a defesa sequer tinha conhecimento da sua real situação jurídica”, afirmou. “O pedido da defesa, porém, foi negado pelo ex-juiz Sergio Moro, permitindo que Léo Pinheiro pudesse prestar depoimento naquela situação”, lembra.

Comentários