Nova gravação bombástica, mostra Renan orientando defesa de Delcídio

Gravação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, delator da Operação Lava Jato, mostra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), numa conversa no último dia 24 de fevereiro orientando uma pessoa identificada como Vanderbergue [que seria o lobista Vanderbergue Machado], suposto representante de Delcídio do Amaral (sem partido-MS), sobre como defender o então senador no Conselho de Ética.

Renan Calheiros Foto: Antonio Cruz/ABr
Renan Calheiros
Foto: Antonio Cruz/ABr

Delcídio teve o mandato cassado no último dia 10 pela unanimidade dos votos dos senadores presentes. Na época em que foi feita a gravação, o processo de Delcidio ainda estava no Conselho de Ética, e Renan não sabia que Delcidio já era delator da Lava Jato.

Renan afirma que é preciso que o presidente do conselho, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), peça diligências para não parecer que a investigação estivesse parada. Ainda sugere que Delcídio faça uma carta mostrando humildade e que já pagou o preço pelo que fez.

RENAN: O que que ele (Delcídio) tem que fazer… Fazer uma carta, submeter a várias pessoas, fazer uma coisa humilde… Que já pagou um preço pelo que fez, foi preso tantos dias… Família pagou… A mulher pagou…

VANDERBERGUE: Ele (Delcídio) só vai entregar à comissão, fazer essa carta e vai embora.

RENAN: Conselho de ética. Falei agora com o João (João Alberto, presidente do Conselho de Ética). O João, ele fica lá ouvindo os caras… O Conselho de Ética não tem elementos para levar processo adiante. Também é ruim dizer que não vai levar o processo adiante. Então, o Conselho de Ética tem que requerer diligências requisição de peças e enquanto isso não chegar fica lá parado…

VANDERBERGUE: (João Alberto) vai colocar em votação e vai ter uma derrota antecipada…

Sérgio Machado é apontado por investigadores da Lava Jato como o caixa da cúpula do PMDB. Em troca de uma possível redução de penas na Lava Jato, ele comecou a gravar conversas com Renan Calheiros e com líderes do partido que levaram à assinatura do acordo de delação, validado nesta quarta-feira (25) pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal. Machado ficou na presidência da Transpetro, estatal responsável por processar gás natural e transportar combustível, por 12 anos. Ele chegou ao cargo em 2003, no governo Lula, por indicação política de Renan.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (26), a assessoria de Renan Calheiros afirma que o presidente do Senado acelerou o processo de cassação de Delcídio e que o processo do ex-petista não ficou parado no Conselho de Ética.

“O senador [Renan Calheiros] lembra que acelerou o processo de cassação no plenário às vésperas da votação do impeachment. O desfecho do processo de cassação é conhecido, foi público e a agilização do processo foi destaque em vários jornais. Na fase do Conselho de Ética opinou com um amigo do ex-senador, mas disse que o processo não podia ficar parado, como não ficou”, diz o texto da nota.

Procurador-geral e outros políticos

Em outra gravação de Sérgio Machado, em 11 de março,  o ex-presidente da Transpetro conversa com Renan.

Eles criticam o procurador-geral da república, Rodrigo Janot. Falam em “fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla, para poder segurar esse pessoal”, dando a entender de que tratavam dos investigadores da Lava Jato. Os dois fazem críticas a vários políticos no diálogo.

Citam o senador Aécio Neves, presidente do PSDB; o deputado Pauderney Avelino (AM), líder do DEM; “Mendoncinha”, como é chamado o agora ministro da Educação, deputado Mendonça Filho (DEM-PE); senador José Agripino (RN), presidente do DEM; senador Fernando Bezerra (PSB-PE); senador José Serra, do PSDB, atual ministro das Relações Exteriores, e a agora presidente afastada Dilma Rousseff.

SÉRGIO MACHADO: Agora esse Janot, Renan, é o maior mau caráter da face da terra.

RENAN: Mau caráter! Mau caráter! E faz tudo que essa força-tarefa (Lava jato) quer.

SÉRGIO MACHADO: É, ele não manda. E ele é mau caráter. E ele quer sair como herói. E tem que se encontrar uma fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla pra poder segurar esse pessoal (Lava Jato). Eles estão se achando o dono do mundo.

RENAN: Dono do mundo.

SÉRGIO MACHADO: E o PSDB pensava que não, mas o Aécio agora sabe. O Aécio, Renan, é o cara mais vulnerável do mundo.

RENAN: É…

SÉRGIO MACHADO: O Aécio é vulnerabilíssimo. Vulnerabilíssimo! Há muito tempo.

SÉRGIO MACHADO: Como que você tem cara de pau, Renan, aquele cara Pauderney que agora virou herói. Um cara mais corrupto que aquele não existe, Pauderney Avelino.

RENAN: Pauderney Avelino.

RENAN: Mendocinha.

SÉRGIO MACHADO: Mendocinha, todo mundo pô? Que *** é essa querer ser agora o dono da verdade?

SÉRGIO MACHADO: O Zé (Zé Agripino) é outro que pode ser parceiro, não é possível que ele vá fazer maluquice.

RENAN: O Zé, nós combinamos de botá-lo na roda. Eu disse ao Aécio e ao Serra. Que no próximo encontro que a gente tiver tem que botar o Zé Agripino e o Fernando Bezerra. Eu acho.

SÉRGIO MACHADO: O PSB virou uma oposição radical. O Zé não tem como não entrar na roda.

RENAN: O PSB quer o impeachment, mas o Fernando (Bezerra) é um cara bom.

SÉRGIO MACHADO: Porque também entende disso que a gente está falando.

RENAN: É.

SÉRGIO MACHADO: Porque tem que tomar cuidado porque esse *** desse Noblat [se referindo ao colunista Ricardo Noblat, do jornal “O Globo”] botou que essa coisa de tirar a Dilma é maneira de salvar os corruptos.

RENAN: Tirar a Dilma? Manter a Dilma?

SÉRGIO MACHADO: Tirar a Dilma. Que é um processo de salvação, de salvação.

RENAN: Que é a lógica que ela fez o tempo todo.

SÉRGIO MACHADO: É porque esse processo. Porque Renan vou dizer o seguinte: dos políticos do congresso se “sobrar” cinco que não fez é muito. Governador nenhum. Não tem como, Renan.

RENAN: Não tem como sobreviver.

SÉRGIO MACHADO: Não tinha como sobreviver.

RENAN: Tem não.

SÉRGIO MACHADO: Não tem como sobreviver. Porque não é só, é a eleição e a manutenção toda do processo.

RENAN: É.

Em uma gravação, Machado ainda acusa Janot de trabalhar para que ele seja julgado pelo juiz Sérgio Moro – ao que Renan responde que isso não poderia acontecer.

SÉRGIO MACHADO: O que eu quero conversar contigo… Ele não tem nada de você, nem de mim… O janot é um **** da maior, da maior.

RENAN: eu sei. Janot e aquele cara da… Força tarefa…

SÉRGIO MACHADO: Mas o Janot tem certeza que eu sou o caixa de vocês. Então o que ele quer fazer. Não encontrou nada e nem vai encontrar nada. Então quer me desvincular de você. (…) Ele acha que no Moro, o Moro vai me prender, e ai quebra a resistência e aí… Então a gente precisa ver, andei conversando com o presidente Sarney, como a gente encontra uma… Porque se me jogar lá embaixo eu estou ***.

RENAN – Isso não pode acontecer.

Ministro Teori Zavascki

Em outro trecho também do dia 10 de março, Sérgio Machado sugere que o grupo de politicos do PMDB se aproxime do relator da Lava Jato no Supremo, o ministro Teori Zavascki. Sarney cita o nome do ex-ministro do Supremo Tribunal de Justiça, Cesar Asfor Rocha, que teria, segundo Sarney, muita proximidade com Teori, e diz que vai conversar com ele sobre isso.

SÉRGIO MACHADO: Porque realmente se me jogarem para baixo, ai… Teori, ninguém consegue conversar.

SARNEY: Você se dá com o Cesar. Cesar Rocha.

SÉRGIO MACHADO: Hum.

SARNEY: Cesar Rocha.

SÉRGIO MACHADO: Dou, mas o Cesar não tem acesso ao Teori, não. Tem?

SARNEY: Tem total acesso ao Teori. Muito, muito, muito, muito acesso, muito acesso. Eu preciso falar com Cesar. A única coisa com o Cesar, com o Teori é com o Cesar.

Em outra gravação do dia 11 de março, Machado conversa com Sarney e Renan juntos. Eles falam sobre como ter acesso ao ministro Teori, mas desta vez através do advogado Eduardo Ferrão, que afirmam ser amigo do ministro. Sarney e Renan falam que a conversa tem que ser reservada.

SARNEY: O Renan me fez uma lembrança que pode substituir o Cesar. O Ferrão é muito amigo do Teori.

RENAN: tem que ser uma coisa confidencial.

SÉRGIO MACHADO: Só entre nós e o Ferrão.

Tentativa de alterar leis

As conversas também mostram que houve negociações para alterar leis e tentar prejudicar a Lava Jato como um todo. Com Sérgio Machado, Sarney fala de uma medida provisória sobre acordo de leniência que o governo Dilma baixou para facilitar que empresas admitam culpa e possam voltar a fazer negócios com o setor público. Depois de protestos do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público, a MP foi substituída por um projeto de lei mais rígido.

SÉRGIO MACHADO: Outro caminho que tem que ter. É a aprovacao desse projeto de leniencia na Câmara o mais rápido possivel, porque aí livra o criminal. Livra tudo.

SARNEY: Tem que lembrar o Renan disso. Para ele aprovar o negócio da leniência. (G1)

Comentários

comentários