Notificações de dengue em 2017 foram as menores em sete anos em MS

Os casos de dengue em 2017 foram os menores registrados em sete anos no Estado. Conforme o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria do Estado de Saúde (SES) no dia 29 de dezembro, ao todo foram 6.201 notificações da doença. Desde 2010, os anos com maiores índices foram 2013, com 102.026; 2010, com 85.597; e 54.874 em 2016.

Trabalho no CCZ foram mantidos durante o recesso na gestão pública para garantir o controle do vetor neste mês, marcado pelo alto índice pluviométrico. – Crédito: Arquivo/Assecom

A dengue é uma doença tropical transmitida pelo mosquito aedes aegypti. Ela causa dores em várias regiões do corpo, febre, fadiga, manchas avermelhadas e em casos mais graves pode também haver hemorragias intensas, resultando em morte em algumas situações.

Em Mato Grosso do Sul, dos pacientes notificados com esses sintomas no ano passado, a maioria se concentrou na região do município de Três Lagoas. Por lá foram 3.086 notificações, um percentual de 43,2% do balanço total no Estado.

Além disso, o município também foi palco para as duas mortes pela doença contabilizadas no ano. Uma foi de um adolescente de apenas 13 anos e a outra de uma professora no dia 18.

Dourados foi um dos municípios que registraram baixa incidência, classificada por 100 casos a cada 100 mil habitantes. Por aqui foram 127 registros efetuados, 44 a menos do que em 2017 quando foram contabilizadas 171 notificações.

VERÃO

O período do verão é o mais propício à proliferação do mosquito Aedes aegypti, por causa das chuvas, e consequentemente, é a época de maior risco de infecção por dengue, zika e chikungunya.

Por isso, a população deve ficar atenta e redobrar os cuidados para eliminar possíveis criadouros do mosquito durante as férias. Antes de sair para a viagem de fim de ano, é essencial fazer uma vistoria em casas, apartamentos e até mesmo no ambiente de trabalho.

Qualquer lugar que possa acumular água é um potencial criadouro. O ciclo de reprodução do mosquito, desde o ovo à forma adulta, leva em torno de 5 a 10 dias.

Recipientes como baldes, garrafas, ralos, lixeiras e outros objetos devem sempre estar fechados ou virados com a boca para baixo. Nos casos dos pratos de vasos de planta, devem ser preenchidos com areia. Os vasos sanitários também devem permanecer tampados e pneus devem ser mantidos em locais cobertos.

Comentários