Navio francês captou sinal que pode ser de avião acidentado, diz Egito

As autoridades egípcias afirmaram nesta quarta-feira (1) que um navio francês captou sinais no mar Mediterrâneo que poderiam ser das caixas pretas do avião da EgyptAir, que caiu com 66 pessoas a bordo no dia 19 de maio, segundo a agência “Associated Press”.

“Os equipamentos de um navio da Marinha francesa, o Laplace, captaram sinais que emanam, provavelmente, de uma das duas caixas-pretas” do avião, indicou o ministério egípcio.

O Laplace, que chegou na terça-feira na zona de buscas, tem três veículos submarinos (DETECTOR-6000) da empresa francesa Alseamar, capazes de detectar os “pings” (ecos sonar) das caixas-pretas entre 4 mi e 5 mil metros.

e7fbc757-152e-42f7-86b1-a1ed82cb5759

No entanto será necessária ao menos uma semana antes da chegada de um outro navio especialmente equipado para trazer à superfície os dois gravadores de voo, indicou o ministério da Aviação Civil em um comunicado.

Um navio de uma empresa Deep Ocean Search (DOS), equipado com um robô para recuperar os gravadores a 3 mil metros, também deve chegar à área do suposto acidente em 10 de junho.

O Airbus A320, da companhia EgyptAir, fazia o trajeto Paris, na França, e Cairo, no Egito, com 66 pessoas a bordo, quando desapareceu dos radares em 19 de maio. Alguns destroços da aeronave foram recuperados ao longo da costa egípcia.

As caixas pretas com os registros de voo podem explicar o que derrubou o voo Paris-Cairo quando ele entrava em espaço aéreo egípcio.

Além disso, os investigadores estão procurando nos restos mortais e destroços encontrados no Mediterrâneo indícios que ajudem a explicar a queda do avião.

A hipótese de ataque, inicialmente apresentada pelo Egito, perdeu terreno em favor de incidente técnico: alertas automáticos foram emitidos pela aeronave dois minutos antes de sua queda, sinalizando fumaça na cabina do piloto e uma falha do computador que gere os comandos.

O voo MS804 caiu entre Creta e o litoral norte do Egito, depois de desaparecer dos radares.

Globo

Comentários

comentários