“Não vou aumentar imposto de ninguém”, afirma Trad sobre ações para recuperar economia da prefeitura

Michael Franco

O prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD), concedeu entrevista para o Grupo Capital de Comunicação na manhã desta segunda-feira (29). Tanto no programa Tribuna Livre da rádio Capital 95 FM, como no Página Brazil, o administrador falou da situação de déficit econômico da cidade e as medidas que prefeitura executa para sanar o problema. “Infelizmente essa tem sido a constante de Campo Grande, as receita bem menor que a despesa. O que fazer? Redução de privilégios e aumento da eficiência arrecadatória”.

Confira a entrevista do prefeito para o Página Brazil:

 

“Vamos passar esse país a limpo e campo grande vai ser um lugar para viver e ser feliz”

Durante a entrevista para o programa Tribuna Livre, o prefeito detalhou as formas de arrecadação para os cofres municipais. Segundo Trad, são três impostos que sustentam principalmente as economias de Campo Grande. “A prefeitura tem seu salário que é composto por três impostos basicamente”, o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O prefeito completa que “se o salário da prefeitura cai, como estão caindo os impostos, ou  você deixa de honrar alguns compromissos deixa de investir na politica social da cidade”.

Veja a participação de Marquinhos Trad no programa Tribuna Livre:

Trad destaca que os cortes estão fora da lista de medidas planejadas para reustaração da economia municipal. “Quando se pensa em crise, o primeiro vocábulo que vem é corte. Nós não vamos cortar ninguém, vamos reduzir gastos de maneira unilateral”. Ele ainda destaca que além dos cidadãos devedores, existem outras instituições que têm grandes dívidas com a prefeitura, como bancos. “O município tem um saldo a receber enorme de bancos. Agências bancárias, devendo R$ 50 milhões, R$ 70 milhões. Reuni meu secretário de finanças e disse ‘não é justo nós demitirmos funcionários e não irmos contra essas empresas, vamos protestar, vamos andar os processos'”.

Acerca da atual conjuntura política nacional, o prefeito demostrou otimismo em sua opinião e acredita que o país encontrará caminhos para sair da crise política em que se encontra. “Muitos falam que esse é o pior momento que o Brasil vive, eu sou otimista, esse é o melhor momento que o Brasil vive. É o momento de nascer homens e mulheres que tenham princípios de ética e respeito no trato da coisa pública”.

Nesta manhã, o prefeito ainda cumpre agenda entregando uniformes nas instituições municipais de ensino.

 

 

Comentários