Não pegou bem: Dani Alves é bombardeado por jornais espanhóis

Daniel Alves surpreendeu os meios de comunicação ao dar uma entrevista coletiva para falar sobre sua situação no Barcelona, na última segunda-feira. Ao invés de anunciar sua decisão, o brasileiro não deixou claro se fica ou sai do clube, e botou mais fogo na negociação de sua renovação, que já se estende por dois meses. A atitude de Alves parece ter ricocheteado nele mesmo.

Capas jornais Daniel Alves barcelona  Foto: Editoria de Arte
Capas jornais Daniel Alves barcelona
Foto: Editoria de Arte

Se sentindo desvalorizado, o jogador disse que seguirá seu caminho em outro clube, se não receber uma oferta melhor até o dia seguinte à final da Champions, 6 de junho. Os meios de comunicação consideraram a entrevista como “incêndio inoportuno para pressionar o clube”, segundo o “Marca”, e “chantagem”, na visão do “Mundo Deportivo”.

Os ataques não pararam por aí. Ou contra-ataques. Na entrevista, o brasileiro chegou a chamar o diário madrilenho “Marca” de “lixo”, e o jornal rebateu: “Alves deu um tiro de egocentrismo ao pensar somente nele, e não nos interesses do time”, alegando que o ambiente criado pelo jogador pode atrapalhar nas duas finais, da Copa do Rei e da Champions, que a equipe ainda tem por disputar. O catalão “Sport” apura que “companheiros de vestiário desaprovaram” o feito.

O jeitão explosivo de Daniel Alves, que até cantou diante dos jornalistas, não agradou a alguns. “Ele não sabia a mensagem que queria transmitir. O psicólogo do Barcelona deveria ser demitido”, publicou o “As”. “Seu jeito sincero não lhe permite faltar com as normas básicas da educação”, analisou o “Mundo Deportivo”, que também ouviu membros da diretoria, que asseguraram: “Alves tem uma boa oferta sobre a mesa, por duas temporadas fixas, mais uma por rendimento, somente tem de dizer sim ou não”.

O caso do lateral direito promete se esticar até o final da temporada, embora, depois do mal estar causado, o Barcelona possa repensar sua oferta final. Dani Alves se queixa de não ter sido valorizado há seis meses, antes do clube descobrir a punição da Fifa, diz que agora não está sendo respeitado por diretores, e que o presidente Josep Maria Bartomeu “sabe o que precisa fazer para que fique”. O contrato entre as duas partes se encerra no dia 30 de junho.

Globoesporte.com

 

Comentários

comentários