“Não é hora de aventuras, de comemorar, mas temos que pensar o político”, diz Ciro Gomes na Câmara da Capital

Lúcio Borges

Ciro Gomes na tribuna da Câmara (Fotos: Lúcio Borges)

O pedetista Ciro Gomes, ex-ministro, ex-governador do Ceará, provável presidenciável em 2018, nesta quinta-feira (18), esteve em Campo Grande, para um evento do PDT, onde falou da situação institucional e política-administrativa do Brasil na sede partidária, como o Página Brazil já noticiou. Mas, Gomes, além do partido, de forma “oficial” se pronunciou também em um Poder político constituído, a Câmara de Vereadores da Capital, onde falou do papel de cada um, em momentos trágicos no país, como o que estourou em Brasília na noite de ontem, envolvendo o presidente Michel Temer. Ciro ressaltou que “não é hora de aventuras, de se comemorar tragédias e nada de ruim no País, mesmo que seja de adversários, principalmente porque “o poder político do País está em xeque, sendo negado”, sendo isto, ruim e perigoso, representando um grande mal a Democracia. Apesar de tudo, ele não aprova Diretas Já, mesmo com ‘Brasil de Temer atingindo tragédia máxima’, como já relatamos.

Ciro, compareceu ao Legislativo, a convite dos dois vereadores do PDT, na Casa de Lei, onde ressaltou que falaria na Câmara da Capital, de forma externa para todo o Brasil, colocando sua posição diante dos últimos acontecimentos,  que apareceram com ele a caminho da Capital. Veja em nosso vídeo, que Gomes, sendo o vice-presidente nacional do PDT, usou a palavra livre na sessão ordinária de hoje, para falar aos parlamentares do município, acima de tudo, sobre a atual crise do poder político no cenário nacional. Mais cedo, na sede do PDT, como Página Brazil divulgou, ele já havia dito, que “A democracia morreu no Brasil”, explicando o chamado golpe que culminou com o Impeachment da presidente Dilma Rousseff, e segundo ele, vem seguindo no atual governo Temer.

Ciro também ouviu os vereadores (Foto: Lúcio Borges)

O representante nacional do PDT, provável presidenciável, deixou claro que “o poder político do País está em xeque” e o poder político sendo negado, quem está sendo negado é a própria democracia. “Não é hora de aventuras, não é hora de comemorar tragédias que se abatem mesmo sobre adversários graves da minha militância política, o momento do Brasil é de chamarmos a sociedade à serenidade, à ponderação e para vigiarmos a nossa Constituição. Nenhuma solução simples, nem uma solução mágica e nem mesmo uma solução apressada responderá com devido cuidado e zelo aos desafios que o País tem”, reforçou.

“A Constituição tem todas as respostas, vamos esperar os desdobramentos, vigiar e mobilizarmos a sociedade brasileira, mas não vamos aceitar qualquer tipo de aventura que fira ainda mais a nossa combalida democracia. Agradeço o privilégio de dirigir essas palavras para o povo brasileiro através do fio do coração da população campo-grandense”, acrescentou Ciro.

Ciro Gomes, mencionou que os vereadores são o portal voz imediato da sociedade, que como em Campo Grande, em muitas Câmaras pelo País, se renovou e vez ressoar o sentido de mudança que vem sendo exigido da política. Ele lembrou, por exemplo, os “dois grandes nomes” pedetistas, que estão em primeiro mandato e há cinco meses no Legislativos campo-grandense, os vereadores Odilon de Oliveira (PDT) e Ademir Santana (PDT).

Vereadores fizeram fila no microfone de aparte para cumprimentar e dizer algo a Ciro Gomes

Comentários