Mulher de Beira-Mar é transferida de Campo Grande durante operação da PF

Jackson Nogueira

Durante a “Operação Epístolas”, realizada hoje (24) pela Polícia Federal (PF), para desmantelar organização criminosa que atuava no tráfico de drogas e na lavagem de dinheiro. A quadrilha, cujo líder está preso há 11 anos no sistema penitenciário federal, movimentou valores superiores a R$ 9 milhões, com ordens recebidas pela troca de bilhetes de dentro do presídio. A esposa do traficante Jacqueline Alcântara de Moraes, já estava presa em Mato Grosso do Sul e vai ser levada para Porto Velho ainda nesta quarta.

Jacqueline sendo presa em uma das operações da PF em 2015. (Foto: Michel Filho/Agência O Globo)

Os cinco filhos de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, Taiuã Vinícius da Costa, Thuany Moraes da Costa, Luan Medeiros da Costa, Felipe Alexandre da Costa e Marcelo da Costa, foram presos nessa manhã (24), durante operação da Polícia Federal. Além dos filhos a irmã e advogada Alessandra da Costa e apontada como sua conselheira, foi presa onde mora, em um condomínio de luxo no bairro Vinte e Cinco de Agosto, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Contra ela havia um mandado de prisão por organização criminosa e lavagem de dinheiro. No total, 10 parentes tiveram a prisão pedida. O braço-direito Felipe da Costa Lira, foi detido no Ceará.

Operação – A PF está há aproximadamente um ano e meio em investigações, sendo descoberto que mesmo preso na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia, diversificou os negócios: os lucros agora vão além do tráfico de drogas. Uma denúncia deu origem à operação, onde foi descoberto que há uma grande quadrilha liderada pelo traficante, coordenada por Fernandinho do presídio por meio de mensagens escritas por meio de papel e por meio de aparelho celular. O traficante controla máquinas de caça-níquel, venda de botijões de gás, cesta básica, mototáxi, venda de cigarros e até o abastecimento de água.

Transferência – Beira-Mar será ouvido, por volta das 11h, pela Polícia Federal dentro do presídio em Rondônia. À tarde, ele será levado para Brasília, onde ficará na sede da PF até ser definida a transferência para outro presídio federal, ainda não definida. Os presos na operação também prestam depoimento.

Comentários