Muito formol: Teste reprova 10 de 12 marcas de escova progressiva

A Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) testou as 12 marcas de escova progressiva mais vendidas do mercado, e 10 das 12 analisadas apresentaram irregularidades na formulação.

Para não causar danos à saúde de usuários e cabeleireiros a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determina que a concentração máxima de formol permitida nas escovas progressivas é de 0,2%.

Em altas concentrações o formol pode causar queda de cabelo, caso haja contato com a pele pode causar irritações, vermelhidão, dores e queimaduras. Em contato com os olhos pode ocasionar dores, visão embaçada e até danos irreversíveis.

Caso seja inalado o formol pode provocar câncer no aparelho respiratório, dor de garganta, tosse e redução da frequência respiratória. Com a exposição crônica, pode ainda causar reação alérgica, debilidade da visão e aumento do fígado.

No teste foram avaliadas 12 marcas quanto a presença de formal, a sua quantidade, e o PH compatível ou não para uso no cabelo e contato com a pele.

Segundo a Proteste todos os produtos tiveram alguma irregularidade. Das marcas testadas, apenas duas contêm quantidades seguras de formol.

A Probelle e a Portier Unique não contêm formol além do permitido, mas contêm PH abaixo do recomendado, o que pode irritar o couro cabeludo.

O produto G Hair Marroquino traz na sua composição a substância ácido glioxílico. Segundo a Proteste, a Anvisa afirma que não existem dados que comprovem a utilização segura do ácido glioxílico em produtos alisantes.

O produto Gloss e o G Hair estavam com suas notificações vencida e cancelada, respectivamente. Logo, não poderiam estar disponíveis no mercado.

Comentários

comentários