MS tem rodovias bloqueadas, trabalhadores de braços cruzados e ônibus parados

A Capital de Mato Grosso do Sul amanheceu sem transporte público nesta sexta-feira (28). Nenhum ônibus saiu das garagens. Pontos e terminais de transbordos de Campo Grande estão vazios desde a madrugada. Escolas públicas estão sem aulas. Manifestantes fecham a rodoviária do município e bloqueiam a BR-158, em Três Lagoas, e a BR-463, em Dourados. Também há manifestação da construção civil e de metalúrgicos. Todos são contra as reformas da Previdência e Trabalhista.

Foto Lúcio Borges

Rodoviária

No terminal rodoviário de Campo Grande, manifestantes impedem a entrada e saída de coletivos de viagem desde por volta das 4h30 (de MS). Quem chega à capital-sul-mato-grossense desembarca nas calçadas próximas. Os organizadores do movimento utilizam faixas e microfones para falar sobre a posição da classe em relação às reformas relacionaos aos trabalho e aposentadoria.

Não há informações sobre o horário que o serviço de transporte urbano será normalizado e nem que os ônibus poderão circular normalmente na rodoviária.

O transporte coletivo de Campo Grande conta com 595 veículo e 190 mil usuários/dia, segundo a assessoria de imprensa do Consórcio Guaicurus, que administra o serviço de transporte público no município.

Grevistas pedem para lojistas fecharem o Comércio – Foto Lúcio Borges

Ainda conforme o consórcio, em média, 30 mil pessoas andam de ônibus nas primeiras horas da manhã na capital sul-mato-grossense.

Aulas

Segundo a Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), a maioria dos sindicatos municipais aderiu ao movimento de paralisação nesta sexta-feira. A Federação afirma ainda que 97% das 362 escolas estaduais estão sem aulas.

A Prefeitura de Campo Grande informou que faz levantamento de quantas escolas estão sem aula. A Secretaria de Estado de Educação também busca informações junto aos colégios para verificar quais aderiram ao movimento.

Construção

Trabalhadores da construção civil também fazem atos isolados nos canteiros de obras, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Construção e do Mobiliário de Campo Grande. No início da manhã, houve manifestação na construção de um prédio residencial localizado no bairro Chácara Cachoeira, com participação de cerca de 200 pessoas, conforme a organização. Não havia polícia no local.

Aproximadamente mil trabalhadores de indústrias metalúrgicas da capital sul-mato-grossense também cruzaram os braços, de acordo com sindicato que representa a categoria.

Rodovias

Conforme a PRF, as BRs 158 e 463 estão bloqueadas por manifestantes contra as reformas da Previdência e Trabalhista.

Em Três Lagoas, o trânsito está impedido perto da rotatória da BR-262 por uma mobilização do Sintrapel (Sindicato dos Trabalhadores na indústria do papel) e do Sintricom (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil, Mobiliários e Montagem de Três Lagoas e Região).

Os manifestantes bloquearam a pista com um guincho e protestam com faixas e carro de som. Conforme a PRF há aproximadamente 50 manifestantes, porém a quantidade de pessoas no local é maior, cerca de 12 ônibus que levavam trabalhadores para uma fábrica foram parados. Só estão sendo liberadas para passagem as viaturas de polícia e ambulância.

Em Dourados, a BR-463 está bloqueada por sem terra desde às 7h40 (de MS). Aproximadamente 50 manifestantes interditaram a rodovia com troncos de madeira. Eles pretendem fazer bloqueios de uma hora e liberar por 20 minutos durante o dia todo. Só estão sendo liberadas para passagem as viaturas de polícia e ambulância.

Comentários

comentários