MS deve receber R$ 252 milhões do leilão do pré-sal, calcula Simone Tebet

A Senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça, explicou que o novo cálculo para a divisão dos recursos arrecadados com o leilão da partilha do pré-sal (cessão onerosa) garantiu um montante de cerca de R$ 70 milhões (36%) a mais para o Estado de Mato Grosso do Sul.

Senadora Simone Tebet (MDB) diz que a partilha do pré-sal deve ser votada na semana que vem no Senado Foto: Roberto Castello

O Estado deve ficar com R$ 252,8 milhões do montante arrecadado nos leilões marcados para o dia 6 de novembro. “Com as novas regras, o recurso subiu de R$ 185 milhões vai passar para R$ 252 milhões”, informou a senadora Simone. O acordo que resultou na alteração do cálculo do repasse é uma forma de compensar os estados que têm perdas com a Lei Kandir. A cessão onerosa do pré-sal prevê uma partilha de R$ 21 bilhões aos estados e municípios de todo o Brasil. O montante total será de cerca de R$ 106 bilhões para dividir entre a Petrobras, União, Estados e Municípios.

Além deste valor, outros R$ 160 milhões serão distribuídos aos 79 municípios de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, por exemplo, receberá cerca de R$ 17 milhões, Dourados com R$ 8 milhões, Três Lagoas e Corumbá, R$ cerca de R$ 5 milhões para cada e, assim por diante, de acordo com o número de habitantes de cada município. O recurso deve ser usado em investimentos e para o fundo de previdência.

A mudança foi aprovada pela Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (09) e, segundo a Senadora Simone Tebet, será votada no Senado na próxima semana para já seguir para a sanção presidencial. “Feito o leilão em novembro, assina-se o contrato até o final do ano e no mais tardar até o final do ano, estados e municípios estarão recebendo esta bolada”, disse a Senadora.

O recurso poderá ser utilizado para pagar custos de obras paradas, em diferentes setores como saúde, segurança e infraestrutura. “Foi muito trabalhoso chegar a este acordo, em meio a discussão da reforma da previdência, mas houve este entendimento, que vai ajudar muito as finanças dos estados”, ponderou.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui